Gentem! O técnico conseguiu se

Gentem! O técnico conseguiu se safar porque a conexão (ATÉ QUE ENFIM!!!) voltou. Eu vou dizer uma coisa, ô povinho besta aquele do 104! Custa me deixar falar com alguém da área técnica, já que eu vou poder explicar o problema muito melhor do que eles? E custa o povo da área técnica me dizer o que raios tá acontecendo, caralho?!!!

… quase treze horas sem

… quase treze horas sem speedy e minha cabeça começa a dar sinais de mal funcionamento. (mau funcionamento! Mau Sapão! Mau Sapão!)

)
… câimbras e cãibras :) atingem meu antebraço direito, em espasmos, mais precisamente a musculatura responsável pela movimentação do meu dedo indicador.
… pensamentos inquietantes afloram em meus neurônios (o Tico e o Teco) em agonia: “Quem somos? De onde viemos? Para onde iremos? O que este homenzinho azul está fazendo sentado sobre o meu monitor?” Ou mesmo “o que será que acontece se eu ligar o cabo da Telefonica na tomada? E no 220V?”
… Minhas presas anseiam pelo sangue da jugular do técnico que se aventurar a tocar a campainha amanhã de manhã. AUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!! >:-[P

LOL! Esqueci de colocar o

LOL! Esqueci de colocar o resultado do meu Personality Test aqui. Não podia ser mais
óbvio. Se bem que eu discordo um pouco sobre o item “introvertido”, mas tudo bem. Olha só (em inglês, desculpe):

ARTIST

(Dominant Introvert Abstract Feeler )


Guilherme,
Like just 4% of the population you are an ARTIST (DIAF)–creative, adventurous, and deep. Although you are an introvert, your dominant ideas lead you to assert yourself often–especially through your work. You actively put your creativity to constructive use, and because you are ruled by your heart you are less likely to be inhibited by logic.

You have an intuitive understanding of emotion and know how evoke it in others, but the real world can be a prison of foolishness and embarrassment if you don’t get your head out of the clouds a little more. Also, you are 87% likely to write poetry. Please, for the love of God, stop now.

LOL! Acho que é tarde demais pra parar agora. ;-)

Não sei, a ignorância e

Não sei, a ignorância e a estupidez humana às vezes me assustam.

Eu tava vendo o link que a Lia mandou pro Absurdetz e rindo dos erros crassos, da péssima escrita, etc. Mas, o pior de tudo não foi a forma como tudo foi escrito, mas o que foi escrito. Com raríssimas exceções, o que estava escrito podia ser classificado facilmente como apologia à violência! Eu sei que as lutas são consideradas esportes, que há muita técnica envolvida, preparo físico e mental. Mas este último muitas vezes se resume a um “vou quebrar teus dentes!” Por quê? Pra quê? Por que o ser humano não consegue se desvencilhar dessa atração por poder e destruição. Ser superior a algo ou alguém não é poder destruir ou subjugar fisicamente. O que nos faz evoluir hoje em dia?

É deprimente, mas biologicamente, ecologicamente falando a maior praga que assola o planeta Terra não são as moscas brancas, os gafanhotos ou qualquer catástrofe “natural”. É a humanidade. Afinal, qual outra espécie age de forma tão organizada alterando o ecossistema ao seu redor em larga escala e cresce de forma descontrolada, tendo praticamente nenhum predador que controle esse crescimento, esgotando os recursos naturais?

Pois é. Se a humanidade sumisse da face da Terra acho que isso aqui entraria nos eixos bem rápido. Nossa evolução agora tem que ser mental e comportamental para que haja equilíbrio intra e interespécies.

Tô divagando… hora de ir pra cama. Mas ainda vou aprofundar esse assunto, um dia.

Muito bem… já não basta

Muito bem… já não basta o fato de eu ter dormido demais e estar com a nítida sensação de que foi dentro de um pote de maionese — tô passado –, agora mais essa. Cadê meu contador? Ah! apareceu. Pô, já tava achando que tinha feito merda com o template de novo :) Aliás, vocês sabem onde fica o órgão sexual do elefante? É na pata! É sim!!! Onde ele pisa, fode!

Opa! Acabei de ter uma idéia inútil: vou abrir um blog de piadinhas. Chamar-se-á… Gargalhada! Inscrições abertas! Não é possível que eu seja o único com mente fértil e piadas infames a serem ditas. Vamos socializar o riso!

Taí! Gostei das notinhas novas

Taí! Gostei das notinhas novas do meu blog. Até que pra um web-designer eu dou um excelente músico :))) E por falar em música… será que dá pra eu colocar um fundinho musical? Hmmm… Surrupiar a programação de alguma rádio da internet? >:-) Tô começando a gostar dessa história!
Que fique registrado que eu tive essa idéia sozinho. (viu, Zel?)

Isso é pra provar

Isso é pra provar que eu já fui uma criaturinha doce e meiga. Zel, esta é em sua homenagem!

“Eu sou rebelde porque o mundo quis assim
Porque nunca me trataram com amor…”

Seguinte… Djavan é tudo! E

Seguinte… Djavan é tudo! E o álbum duplo Djavan ao vivo tá uma delícia. Ê Natal bom! :) Ah sim… o que eu queria dizer é que…

“Amar é tudo”

Meu amor
Eu nem sei te dizer quanta dor
Mesmo a noite não sabia
O que o amor escondia
Minha vida
Que fazer com minh’alma perdida?
Foi um raio de ilusão
Bem no meu coração
E veio com tudo
Dissabor e tudo
Veio com tudo
Dissabor e tudo
Eu sei,
Eu não sei viver sem ela
Assim, um simples talvez me desespera
Ninguém pode querer bem sem ralar
Não há nada o que fazer
Amar é tudo

Lá vou eu fazer romaria

Lá vou eu fazer romaria pra Campinas, de novo, amanhã cedo. *sigh* Por que raios a minha orientadora não abraça as maravilhas do mundo cibernético e não abandona de vez os comentários escritos nas folhas dos meus relatórios? Falando sério, não é um baita desperdício de papel? Eu escrevo o relatório, imprimo, entrego. Ela lê, corrige, comenta, devolve. Eu altero, complemento, imprimo, entrego. Ela lê, corrige, comenta, devolve. Só que, até as aulas voltarem, o marmitão aqui tem que ficar indo até Campinas buscar o dito cujo. Caramba!

Já que o povo tá

Já que o povo tá fazendo lista de promessas, vamos lá… que se há de fazer?

. prometo fazer regime esse ano e perder uns pneuzinhos (eu vou me arrepender disso)

. prometo organizar minhas partituras (ai!)

. prometo *tentar* organizar melhor meu tempo (num sô besta!)

. prometo mandar alguma coisa pro Absurdetz, senão a Ninja Peituda vai dar na minha cara (ela sabe peito-fu :))

Pronto! Já vendi minha alma pro Demo com tudo isso.

Nossa! Que comentariozinho mais tacanho

Nossa! Que comentariozinho mais tacanho desse tal de Raygun’s Planet a respeito do Absurdetz! Tudo bem, errar é humano, eu concordo, vá lá, mas daí a culpar a febre tecnológica e a invasão de termos estrangeiros como sendo as inevitáveis causas da morte de nossa tão rica gramática… é um pouco de cara de pau demais pro meu gosto. Tenha dó! É perfeitamente possível escrever em bom português, seja com um teclado ou uma pena de ganso, o que se deixa pra posteridade. Desculpem-me, ninguém vai se matar por causa de um errinho, mas se orgulhar de uma limitação… sei lá… me soa tão pequeno.

Por que não levar na esportiva e aproveitar para aprender?

Espero que todos que por

Espero que todos que por aqui passam tenham desfrutado de uma passagem de ano maravilhosa. Resolvi colocar aqui um “Canto do final do milênio” que encontrei nas páginas da UNESP. Apesar de não crer com muito afinco nas profusões de regras que gostam de ditar por aí acerca do mundo metafísico, acredito que acredito. Só não sei direito em quê (é com acento?). Lá vai!

RELATO
DO VIOLEIRO AMBRÓSIO DE SEU ENCONTRO E QUERELA COM A CELESTE CRIATURA,
DESCRIÇÃO DA M?QUINA DO MUNDO E DA HUMANA GENTE NA VIRADA DO AMOR
DO MILÊNIO

Eu era um tipo tinhoso,
de quase tudo descrente;
cuidava
que era mais gente
por
meu viver afrontoso;
não
tinha homem na Terra
nem
deus pra mim perigoso.
Minha
crença era a palavra
e
o amor o mais fogoso.

Tava
indo em trote manso
na
direção do levante,
pensando
na minha vida
e
no Milênio chegante,
quando
uma luz e um estouro
bateram
de mim diante,
e
me apareceu um velho
montado
num raio andante,
berrando:
"Eu sou teu Instante!
Perto
de mim és fedelho!"

Meu
cavalo refugou,
como
se o Demo enfrentasse.
"Vade
retro! "retruquei,
pra
que o cujo se afastasse:
"Não
te creio, ó  coisa feita!
Não
te creio nem te gabo.
Mil
visagens já peguei
e
inda pego pelo rabo!
E
essa tua idéia de instante,
é
coisa que eu nunca chego.
Sai
de mim! Nego e arrenego
tua
aparência assaltante!"

O
Velho, fazendo pose,
nem
escutou o que eu dizia.
Desceu
do raio num pulo,
enquanto
o raio subia,
e
disse assim como quem
toda
a verdade sabia:
"Não
sou o Mal, sou o Bem
que
ilumina o teu quadrante,
Eu
sou o Pai, Filho e Espelho
na
forma de um só Falante!
Donde
pensas que te veio
o
chão que pisas adiante?
E
o céu que te dá receio?
E
o som que te dá desplante?"

Apesar
da voz de ronco
e
de toda a brilharada
eu
tava calmo e dizia:
"Num
te arreceio nem nada!"
Mas
o Velho se insistia:

"Sou
o Consenso das Gentes,
o
Terror dos pecadores,
o
Porto dos penitentes
o
Fim de todas as dores!
Eu
sou o Sol do Levante
e
de todos os poentes,
com
os meus raios sou Radiante!
com
o meu Ser — Ente dos Entes!"

Eu,
no de mim, começava
a
perceber que a Criatura
era
de muita palavra
e
de maior espessura.
Mas
não via mor razão
em
que elogiasse o seu mundo
feito
todo de ambição,
e
só nas dores profundo,
um
mundo de desconforto,
que
só é bom pra quem vive
como
se vivesse morto.

E
ele ainda se narrava:
"És
feito de fogo e água,
de
ar e terra premida.

eu não tenho medida,
nem
jamais tive carências
sou
Uno no conteúdo,
mas
tenho mil aparências.
Dize-me,
pois, donde veio
o
chão que pisas adiante?
e
o céu que te dá receio?
e
o som que te dá desplante?"

Eu
meio que me engasgava
com
aquela toda imponência,
e
o bestunto me acusava
de
um ataque de demência!
O
Velho, lá no seu jeito,
dizia:
"Sou a Palavra
e
o Sentido, sou a Vida,
sou
tua esfera sustida
na
eterna viagem do Tempo!
Dize-me,
então, donde veio
o
chão que pisas adiante?
e
o céu que te dá receio?
e
o som que te dá desplante?"

Com
toda aquela insistência,
de
repente eu me acalmava,
a
voz já me retomava
e
a coragem, mana velha,
me
fez descer do cavalo
e
desandar sem prudência
dizendo
que o bem na Terra
estava
em franca falência,
e
que se um mau mundo criara
um
deus que Deus se dizia,
no
princípio e fim errara,

criando tirania.

"Por
isso", afrontei, "garanto
que
tudo que há de tão belo
e
que tudo que há de feio
não
veio; e se veio, creio
que
não foi de ti, meu velho!
Foi
do vento, foi da água,
foi
da Terra, foi do Sol,
foi
da Noite, foi do Medo,
mas
não foi do teu farol!
E
esse negócio de grande
terror,
e consenso, e porto,
ser
do ser, dos entes ente,
não
assino, nem aceito.
Pra
mim não passas de um torto,
com
manias de perfeito!"

E
o Velho, antes falante,
logo
que ouviu o que eu disse,
se
ficou calado e mudo
sofrendo
grande mesmice.
No
depois, como acordando
de
um sono de estuporado,
arregalou-me
estes olhos
e
enveredou pro meu lado.
Quando
pensei que chegava
em
mim pra me castigar,
pôs
a cabeça em meu ombro
e
começou de chorar
de
um jeito como criança,
mas
com gemido de mar!

"Nem
eu mais!" ralhou-se, "creio
em
mim e em minha bonança!
Com
o mundo em tanta mudança,
quem
é que me tem no seio?
Perdi-me
num labirinto,
e
agora não sou mais eu,
sou
um ser que se perverteu
num
rio de sangue tinto;
fui
um dia o que me minto
quando
afirmo que sou Deus!"

E
aquele choro tomava
completa
conta do mundo,
como
um lamento profundo
que
o próprio Universo dava.
E
quanto mais se carpia,
maior
um vento ventava,
e
a terra se abalançava,
e
o chão sob os pés rugia.
 
Então,
de mim se afastando,
com
passo desconcertado,
cercou-se
em luzes e cores
e
falou, dedo apontado:
"Aproveita
o teu momento,
que
é só teu, pois me venceste.
O
mundo é pobreza e peste!
O
homem — um mau pensamento!"
 
"Assim
não tanto!", eu lhe disse,
sentindo
que a voz crescia.
"Inda
sofrendo na carne
toda
essa sua mania,
acho
a vida uma façanha!
vejo
o mundo maravilha!"

E
Deus, mudando o seu jeito,
pareceu
vitorioso:
me
fez subir no corisco
e
voar vôo pasmoso.
 
"Pra
todo lado que olhares",
falou,
"verás proporção:
trilhões
de esferas funcionam
como
uma só estação!
Cada
plano tem afim,
cada
giro tem seu peso,
cada
ser é um ponto preso
ao
primeiro e último fim.
Pra
todo lado que olhares

verás a Perfeição!
Esquece
tua paixão!
Fica
cego pra enxergares!"
 
E
quanto mais eu olhava,
maior
maravilha eu via:
o
Céu em luzes ardia
numa
Glória que cegava!
 
Mas
Deus, voltando a ser triste
e
de triste furioso,
deu
um suspiro horroroso
e
a mim de novo me disse:
 
"Só
o homem, esse ser membrudo,
egoísta
e charlatão,
soverteu
a criação
e
minha Máquina do Mundo!
Destruiu
a Primavera,
arruinou
a paz celeste,
foi
pior que a pior peste
que
já espalhei nesta esfera!
E
eu, que o trouxe a esta vida
pra
dar ao Mundo auditório,
errei!
Fiz um patifório,
ladrão,
malfeitor, deicida!
E
já que errei, me condeno
a
uma morte prematura,
deixando
toda a Natura
a
esse vil ser terreno.
Dize
a todos, camarada,
que
Deus não mais estremece
a
Terra, e que toda prece
pra
sempre está superada!
E
dize mais: que pecado
é
se viver desvivendo,
temendo
um deus malsinado
e
de um rei falso tremendo.
Não
há mais deus, não há lei,
não
há nenhuma razão
que
torne real a alguém
judiar
de sua nação.
Agora,
apenas a vida
pelo
infinito em ventura
deve
servir de medida
pra
tua vossa moldura.
Não
acredites na História
e
não sejas mais amante
de
ninguém, como eu, Tonante,
de
ruinosa e vã memória!
E
a cada rei que encontrares,
e
a cada deus que trouxerem
contarás
a mesma estória
para
os que te ouvir quiserem;
E,
se puderes, mil vezes,
com
a força dos braços teus,
expulsa
os reis que enganarem!
Faze
o mesmo a qualquer deus!"
 
No
raio restou só eu,
porque
o Velhinho, num jorro,
brilhou
em chuvas de ouro
e
sem mais se escafedeu!
E
aonde antes havia
um
deus, sobrou só fumaça
e
o arrepio que me passa
quando
lembro o que se deu.
 
Fiquei
tristonho, calado,
contando
estrelas na altura;
a
Lua, branquinha e pura,
seguia
quieta a meu lado…
E
sem que eu fizesse um gesto,
como
uma viagem que encerra,
o
raio me pôs na Terra,
com
suavidade celeste.
 

que eu suave não estava,
todo
o meu corpo doía,
e
ao lembrar que Deus matara,
o
remorso me mordia.
E
foi assim desde então:
cada
vez que desesqueço
que
dei com Deus num tropeço
e
que o matei com a razão,
meu
corpo se treme todo,
tenho
um pavor de criança,
vejo
em tudo enorme lança
procurar-me
o coração…
 
Ao
depois de muito tempo
de
um cavalgar vagamundo,
peguei
da viola e com calma
pensei
num poema profundo
que
me falasse, sem mágoa,
da
mágoa de Deus do mundo;
um
poema sem eira e beira,
como
burrico que passa
na
borda da perambeira,
com
receio, mas com graça.
Nunca
mais cantei vitória,
nem
de Deus tive notícia;
virei
poeta sem malícia,
cantador
de uma só estória.
 
Não
creio mais em reis magnos
e
em deuses menos ainda.

creio que hoje se finda
não
só do tempo o Milênio,
mas
o tempo dos receios,
o
tempo dos homens-armas,
o
tempo dos homens-ouros,
o
tempo dos homens-ódios,
o
tempo dos homens-muros,
o
tempo dos homens-deuses,
o
tempo dos homens-gênios
que
de outros cospem nas caras
para
os tornar mais pequenos…
 
O
Velho não disse, eu digo
com
a clareza deste dia
que
o Milênio que começa

deve ser de alegria
de
pessoas que se liguem
nos
olhares companheiros,
um
mundo de homens inteiros
desconhecidos
de intrigas,
um
mundo nas quais corridas
todo
homem seja o primeiro,
e
cada sonho uma escolha,
e
cada escolha um janeiro,
e
nunca nasça uma folha
sem
nascer o amor primeiro.


Rogério Chociay

r.pius@riopreto.com.br

HAPPY!!! HAPPY!!! JOY!!! JOY!!! Existe

HAPPY!!! HAPPY!!! JOY!!! JOY!!!
Existe vida inteligente dentro da Telefonica! Consertaram a minha conexão Speedy. Claro que só depois de muito camelar e de conseguir o telefone da gerência ;-) Se alguém quiser o telefone da gerência do Speedy é só me pedir. Eles têm que sofrer mesmo… ô equipe de merda!

Entrei pro Absurdetz. Xi… agora

Entrei pro Absurdetz. Xi… agora tenho que tomar cuidado com o que escrevo por aí… Vou ajudar também minha grande amiga Zel, a Miss ?lcool Hidratado (isso é sacanagem do meu pai), e quem quiser explicação que pergunte pra moça, com o novíssimo blog sobre música. Afinal de contas, tenho que mostrar que eu estou aprendendo direitinho! :)

Pipou! Quem ainda não foi

Pipou! Quem ainda não foi assistir “Chicken Run” (“A Fuga das Galinhas”) vá! Vá agora, depois vocês comem peru. O filme é muto divertido. Mas, sem essa de assisitir dublado porque não tem graça. E pra quem não conhece, procure a trilogia Wallace and Gromit que é do mesmo… estilo — agora eu não lembro quem é o diretor, produtor, escritor, moldador… paciência. Tá fazendo o que sentado aí ainda? Vai logo de uma vez!

Ah! E um Feliz Natal pra quem é de Natal (pra quem não é também… que valha o espírito!)

OK. eu ainda não acostumei

OK. eu ainda não acostumei a escrever frequentemente nisso aqui não. Vamos ver se agora vai…

Apesar de, há duas semanas, eu ter recebido um horóscopo “do mal” com os seguintes dizeres: “…as próximas semanas vão testar seus limites…”, eu posso dizer que sobrevivi :) A faculdade não me pegou dessa vez. Caralho! que fim de ano do cão! Mas, se foi muito penoso, pelo menos trouxe bons resultados. A minha participação no recital de música de câmara (canto) foi muito boa e as pessoas gostaram muito. Inclusive a professora de Canto, a Profa. Dra. Adriana Giarola Kayama, que me elogiou dizendo que eu sou muito expressivo no palco =))). Desculpa, tá gente! Mas eu ganhei meu dia, minha semana, meu mês! Como eu sou é muito do chato, tem alguns pontos que não saíram do jeito que eu queria, mas palco é palco, não tem jeito. É muita responsa. De qualquer forma, gravei tudo em DAT pra fazer todas as auto-críticas depois. Detalhe: Essa professora, a eficiência acadêmica encarnada, é a mesma pessoa que tá querendo arrancar meu couro porque meu projeto de pesquisa tá atrasado e tem entrega de relatório parcial na segunda semana de janeiro. C’est la vie! Melhor isso do que deixar alguma matéria pra trás.

Preciso criar vergonha na cara e começar a “postar” em inglês também. Pregui…

Fui cantar em Vinhedo ontem,

Fui cantar em Vinhedo ontem, no Mosteiro de São Bento. Muito simpática a capela, e com uma acústica excelente! Só que eu passei reto pela estrada porque a construção é “modernosa” e eu estou acostumado com a grandiosidade do mosteiro aqui em São Paulo. O concerto foi muito bom, só que hoje eu tô aqui de novo na m**** tentando descobrir o que foi feito do documento do carro. Eu nem tô no meu inferno astral! Deve existir um Inferno Natal também, não é possível!!! :-\

Bem, bem bem… o dia

Bem, bem bem… o dia hoje foi… como direi… um pé no saco :) Certo Zel? Essa história de bater carro não tá com nada. Como diria a nossa amiga Flor, isso é cafona! Não fiz nada do que tinha que fazer e passei o dia em função dos procedimentos a serem tomados por causa de uma batida maldita. E tudo isso porque nem sempre é possível confiar na boa fé das pessoas. E olha que o carro nem é meu pra eu estar desse jeito. Mas Zel, tamos aí pro que der e vier. “A gente fazemos o que podemos”
:-*

Acho bom esse sol aparecer amanhã, senão eu vou é ficar muito puto da vida!

Pipou! A vida é mesmo

Pipou! A vida é mesmo engraçada. Meu horóscopo tá uma desgraça, eu tô até o topo de coisa pra fazer e não tô dando conta de tudo. Minha situação financeira esse fim de ano está periclitante e amanhã eu, com toda certeza, vou levar uma baita bronca de uma professora na faculdade. E com razão, não posso nem reclamar! Mas, porém, contudo e entretanto, o simples fato de eu ter sido finalmente admitido oficialmente no curso de Canto do Instituto de Artes da UNICAMP, onde eu já curso Regência, fez com que eu me sentisse no paraíso.

Definitivamente eu não regulo bem… :-P

Hoje foi um dia legal.

Hoje foi um dia legal. Acordei, fui pra casa (não pensem bobagem!), fui assistir ao “War Requiem” de Britten na Sala São Paulo… que e s p e t á c u l o ! ! ! A companhia foi de um tudo. Minha super, meiga, doce, inteligente, fiel, linda e peituda amiga Zel que, aliás, está aprendendo a dirigir. Beware!!! But be nice… or I’ll kick you!!! Eu tenho certeza que a fofa ainda vai se tornar um cavaleira jedi ;-) (enchi tua bola, hein mulher?!) Pipou, rezem por mim. Provas durante a semana.