As Horas

Ok, fiquei simplesmente embasbacado com esse filme. Lindo! E triste. As três damas são, realmente, um espetáculo — Nicole Kidman provou que é mais do que a ex-senhora Tom Cruise. O que é aquela cena do quarto? A cena do rio?

Mas, principalmente — e o que me diz respeito —, o que é aquela trilha sonora? Bravo, Philip Glass!

Preciso: ler o livro, ver o filme de novo, ter essa trilha, me jogar no rio… não, essa eu passo.

Na boa, Chicago é bom, adorei, mas eu daria o oscar pra The Hours.

Blog-off

E sem leitura de blogs essa semana que eu tenho é muita nota pra ler e coisa pra pensar. Vão escrevendo aí que depois eu leio.

Sarna pra me coçar

Eu tô arranjando confusão pra minha cabeça, não tô? É, tô. Então, que fique claro que eu tô arranjando, mas que vou desarranjar ao menor sinal de perigo pra qualquer outro além de mim. Já que eu não posso ser o super-homem de ninguém, também não vou ser o vilão do coração alheio. Tenho vocação, não.

Toma que o filho é teu, por e-mail

O Sindicato Único de Prostitutas,
Meretrizes e Cafetinas – SINDIPROSTI
– esclarece à opinião pública que apesar das afirmações da maioria dos
manifestantes no mundo inteiro, o cidadão George W. Bush
não é filho de nenhuma de nossas associadas.

Eu sempre achei que ele e seu amiguinho eram filhos da chocadeira. Se bobear, da mesma.

Volare

Vontade de voar hoje, de tão leve que eu tô. Bem, feliz, bonito, gostoso, tranqüilo, sem ressaca e brilhante. Hoje eu sou pura luz! Vem! Me dá a tua mão, vem brincar comigo que hoje o mundo é nosso. Vem que eu sou teu maior amigo. Vem que eu sou teu melhor amor.

Noite dos Mascarados
(Chico Buarque/1966)

Ele: Quem é você?
Ela: Adivinhe, se gosta de mim

Os dois: Hoje os dois mascarados
Procuram os seus namorados
Perguntando assim:

Ele: Quem é você, diga logo
Ela: Que eu quero saber o seu jogo
Ele: Que eu quero morrer no seu bloco
Ela: Que eu quero me arder no seu fogo
Ele: Eu sou seresteiro
Poeta e cantor

Ela: O meu tempo inteiro
Só zombo do amor
Ele: Eu tenho um pandeiro
Ela: Só quero um violão
Ele: Eu nado em dinheiro
Ela: Não tenho um tostão
Fui porta-estandarte
Não sei mais dançar
Ele: Eu, modéstia à parte
Nasci pra sambar
Ela: Eu sou tão menina
Ele: Meu tempo passou
Ela: Eu sou Colombina
Ele: Eu sou Pierrot

Os dois: Mas é carnaval
Não me diga mais quem é você
Amanhã, tudo volta ao normal
Deixe a festa acabar
Deixe o barco correr
Deixe o dia raiar
Que hoje eu sou
Da maneira que você me quer
O que você pedir
Eu lhe dou
Seja você quem for
Seja o que Deus quiser
Seja você quem for
Seja o que Deus quiser

Antenado

Pra vocês verem como são as coisas. Eu estava ouvindo a trilha de Dancer In The Dark justamente quando estava vendo que ele mencionava a Quasar Companhia de Dança, momentos depois de pensar por onde andam meus colegas da Unicamp que dançavam lá.

Saudade de ver aquele povo flutuando no palco. Taí algo que eu nasci só pra bater palma.

Da cor do pecado

Eu tô com uma cor linda, dá licença. E a pele tá um pêssego, do jeito que o diabo gosta. Delícia! ;)

Divina comédia

(eu devia chamar de porno-chanchada, mas o pudor (pfff!) me impede…)

8h da manhã, isso lá é hora de chegar em casa numa sexta-feira? Eu vou dizer só uma coisa: entre beijar uma boca já fora do catálogo e me trancar pra fora do apartamento, no corredor do flat — maldita fechadura eletrônica! — como vim ao mundo — é, é, é, pelado, pelado, nu com a mão no bolso, já diria o Ultrage a Rigor — foi um pulo tão ligeiro que eu ainda tô computando o feito (e rindo). Quem te viu, quem te vê… (que o diga o segurança e os meus anos de Tablado)

PS: Nunca mais eu procuro a porta do banheiro sem estar devidamente acordado e de olhos abertos.

Docinho, tua despedida não podia ter tido maior efeito. Tim! Tim!
E tchau que eu tô com sono.

Subliminar

Ab(d)omina(ve)l.
Qualquer semelhança não é mera coincidência. :P

Frescura

Ah, legal! O Laboratório de Informática do ilustre Instituto de Artes da Unicamp resolveu agora bloquear as portas de comunicação do Messenger — a.k.a meu telefone gratuito com Sampa City. Jóia!

Vem cá, por que não bloqueiam o bate-papo do administrador da rede — ele pode, né? — ao invés de ficar com esse cu doce? Inferrrno!

Pra não dizer que não disse

Sinceramente? Sem assunto hoje. Então a gente caça um horóscopo quiroguético da vida só pra conferir se estou fazendo a minha lição de casa. Estou.

Touro: A sabedoria não se ganha automaticamente, ela decorre da experiência, do atrevimento de acertar e também errar, mais a vontade de consertar todos os erros cometidos. Sabedoria é a expressão excelente do amor.

Memory

Ah… aquela Festa do Pirulito… a melhor festa de aniversário que eu já tive! :) (mesmo tendo tomado cachaça feito água de côco. IEEEEEEEEIII!!!).

Aniversário

E não é que tem uma moça muito linda fazendo aniverário hoje? Vinte anos, né moleca?

PARABÉNS, LINDINHA!!! :-* Meu beijo eu dou depois, tá? >;-)

Exílio

E lá se foi a minha senha de acesso ao Uol. É ruim que eu vou ficar pagando 50 paus para aquele bando de sengessugas só por causa do Speedy. No cu, papagaio! :P

Queridos assinantes do Uol, será que ninguém estaria interessado em, sob um ato de extremo desprendimento e caridade, me fornecer uma senha genérica? Sim? Não? Aquele e-mail extra? Troco por um acesso ao meu servidor speedy e seus programinhas e mp3s. Ó só, negocião! ;)

Maldito conteúdo fechado!

Transformer

A-ha! A musculação já começa a surtir seus efeitos hipertróficos e enrijecedores: calos!

Horóscopo

In addition to your sizable fan club, you have people working overtime behind the scenes on your behalf. So rather than feeling compelled to add your voice at this juncture, let them do their thing to promote your candidacy, advance your cause, etc. They’re doing as fine a job as you could do yourself.

Duas perguntas. Primeira: que história de sizable é essa? Segunda: além do departamento de marketing pessoal – que anda meio displicente –, dá pra incluir uma secretária no pacote? Obrigado.

Fosfosol

Eu ando um desastre, uma lástima! Devia vestir uma camiseta com os dizeres “Cuidado, veículo sem condutor”. Olha só:

— Esqueci – do verbo passou reto – de responder uma meia-duzia de e-mails que agora ficaram lá em SP. Eu sempre respondo e-mails.
— Tinha que trazer, há umas duas semanas, uma flauta contralto que está perdida em uma gaveta lá de casa. Dessa vez esqueci a soprano também.
— Esqueci chave, carteira e celular na casa dele ontem. Coitado do meu colega que foi acordado no meio da noite pra me abrir a porta.
— Não bastasse estar sem lenço e sem documento, acordar cedo pra sair de casa com o colega, chegando na Unicamp descubro que esqueci minha pasta e agenda – ou seja, TODO o meu material – em casa. Eu tenho ensaio até as 8h da noite. Toca voltar, andando, pra buscar a maldita. É o meu jogging, sabe?

Em suma, bom dia segunda-feira! A senhora sua mãe vai bem? Inferrrno…

Tamanho desatino só é justificável perante uma grande paixão, certo? Ok, cadê? (olhos fechados e biquinho no rosto)

Canhoto

Descobri, talvez, por que não sirvo para a carreira de Direito. Sou e sempre fui muito argumentativo, tenho um raciocínio lógico, sei muito bem defender meu ponto de vista com os trunfos que o contexto me apresenta. As leis, assim como os preceitos éticos e morais (questionáveis ou não), servem como base, mas não como corrente.

O problema mesmo está em julgar pelos olhos de outrem. Odeio, não consigo, não lido bem com a possiblidade de cometer uma injustiça. Fico me imaginando no banco de um júri ou com a peruca de juiz e peço a deus que não me dê tal dilema. E isso não tem nada a ver com a MINHA análise dos fatos que eu sei muito bem como enfiar um dedo no meio da cara e cuspir meia dúzia de (minhas) verdades, se preciso for — tem uma quantidade imensa de bondade aqui dentro, mas zero vocação para a santidade ou martírio. Contudo, dar forma às minhas opiniões e veredicto baseados na vivência alheia me desce como algo vil, reles, ordinário.

Acho que devo e digo o que penso. Por vezes, falo até mais do que posso. Mas tomo o cuidado de manter meus ouvidos atentos e meus olhos abertos à toda fonte de informação — ortodoxa ou não. Cuido também de filtrar o que não é meu, que a realidade é algo que se molda a cada ponto-e-vírgula dentro de um conto. Lealdade é algo que não se compra ou ganha, conquista-se com o exercício do convívio e não se perde por acaso — e a minha, descobri, é preciosa demais.

Se eu tiver que bater o martelo — como já bati várias vezes — que seja com o peso da minha mão, já que ela é a única que eu posso, também, estender. Julgo, sim, mas sempre com a minha consciência à prova, pois o dia em que eu não puder mais deitá-la no travesseiro sem que doa, é melhor mesmo que eu cale a boca.

Do fundo do e-mail

Faxina no e-mail dá nisso. É velha, mas ainda acho que vai entrar pra mitologia.

GÊNESE

1. No princípio, Deus criou o Bit e o Byte. E deles criou a palavra. E nada mais existia. E Deus separou o Um do Zero; e viu que era bom. E Deus disse: “Que existam os dados, e que estejam em seus devidos lugares “, e criou os disquetes, os discos rígidos e os discos compactos.

2. E Deus disse: “Que apareçam os computadores, e sejam lugar para os disquetes, e para os discos rígidos e para os discos compactos”. Então Deus chamou os computadores de “hardware”. E não havia ainda software. Mas Deus criou os programas; e disse-lhes: “Vão, multipliquem-se e encham a memória”. E Deus disse: “Vou criar o Programador, e ele ira governar os programas e informação”. E Deus criou o Programador, e meteu-o no CPD; e Deus mostrou a estrutura do DOS e disse: “Podes usar todos os diretórios e subdiretórios mas NUNCA UTILIZE O WINDOWS”.

3. E Deus disse: “Não é bom para o Programador estar só”. Ele fez a criatura que iria olhar para o Programador e admirá-lo, e amar as coisas que ele faz. E Deus chamou-a “Usuário”. E foram deixados sob o DOS e era bom.

4. Mas BILL era mais esperto que as outras criaturas de Deus. E BILL disse para o Usuário: “Foi mesmo assim que Deus disse, que não podias rodar nenhum programa? Como podes falar de algo que nunca experimentaste? No preciso momento em que rodares o WINDOWS, tornar-te-a igual a Deus. E poderás criar tudo o que quiseres com um simples toque no mouse”. Então o Usuário instalou o WINDOWS, e disse ao Programador que era bom.

5. O Programador começou a procurar novos ‘drivers’. E Deus perguntou-lhe: “Que procuras?” E o Programador respondeu: “Estou a procura de novos ‘drivers’ que não encontro no DOS”. E Deus disse: “Quem disse que precisavas de novos ‘drivers’? Rodaste o WINDOWS?”

6. E Deus disse ao BILL: “Serás odiado por todas as criaturas. E o Utilizador estará sempre zangado contigo. E venderas o WINDOWS para sempre”.

7. E disse ao Usuário: “O WINDOWS ira desapontar-te e comer toda a tua memória; e terás que usar programas reles, e irás adormecer em cima dos manuais”.

8. E disse ao Programador: “Todos os teus programas terão erros e irás corrigi-los até ao fim dos teus dias”.

9. E Deus expulsou-os do CPD, trancou a porta e colocou uma placa na porta:
GENERAL PROTECTION FAULT.

Profético, não?

Inérciargh!

Ah, chega! Preciso sair. Eu não agüento ficar dentro desse quarto o fim de semana inteiro, não! Preciso andar, trocar de ar. Quem fica parado é poste e eu passei longe da estatura para tal cargo. :P Fui!

Piada minimalista

Toc, toc!
Quem é?
Toc, toc!
Quem é?
Toc, toc!
Quem é?
Toc, toc!
Quem é?
Toc, toc!
Quem é?
Philip Glass.

Fantasia

“E se, de repente
A gente não sentisse
A dor que a gente finge
E sente
Se, de repente
A gente distraísse
O ferro do suplício
Ao som de uma canção
Então, eu te convidaria
Pra uma fantasia
Do meu violão…”
(Chico Buarque, Fantasia)

É que na verdade eu estou sempre cantando mais, atrás do grande amor da minha vida. Noite e dia, noite e dia… Que eu sou romântico, isso nunca neguei.

Botomorfose

“Na praia de dentro tem areia
Na praia de fora tem o mar
Um bôto casado com sereia
Navega num rio pelo mar…”
(Tom Jobim e Jararaca, Bôto)

E lá vou falar de sedução de novo. Tá em voga, sabe? ;) Sempre neguei que fosse uma pessoa sedutora até começar a perceber como a sedução se manifestava em mim. Mas sou dois, homem e menino, cada um lançando mão do outro como forma de defesa… ou ataque. Difícil é saber quando um ou outro estão fazendo isso ou aquilo. Mesclo momentos de timidez e safadeza sem muita esperteza pois, às vezes, sinto que deveria ter ousado ao invés de ficar calado, ou esbarrado ao invés de ser tão centrado.

Interessante isso. De vez em quando percebo que estou chamando a atenção e tenho vontade de brincar. Visto-me de gato, olho de soslaio, metido e sinuoso como todo bom felino… e nada faço. A brincadeira não tem porquê. Outras coro, fico sem jeito, rio, perco a fala e (me) acerto(am) o bote quase sem querer. Mas quem se defende, o homem ou o menino? E quem ataca, o menino ou o homem? Nem eu sei! Só sei que dou as cartas quando beijo.

Donde se deduz que da estratégia eu entendo é pouco. De gato, preciso virar boto. Aí sim, cuidado! Se eu achar a fórmula do nadador cor-de-rosa te pego de jeito, tasco um beijo molhado e te deixo… deixo não que sou safado, não malvado.

Pecado nada original

Rapaz, se eu tiver que pagar meus pecados com juros acho que vou acabar como atentende dos serviços da BCP ou da Telefonica: falar por meio de gerúndios para o resto da minha vida — três gerúndios em uma única frase curta, vai pro guinness! — e ter a ascendência feminina xingada por umas sete gerações.

Fala sério, como é que alguém pode dizer calmamente que o serviço vem apresentando problemas desde 19 de fevereiro e que “vamos estar encaminhando” sua reclamação para “estarmos melhorando” nossos serviços?!

Hoje é dia! Cadê meu nariz de palhaço? Só rindo mesmo. Heh!

É mole?

Acho o fim da picada eu ter que ficar rastreando bugs no sistema de redirecionamento deste dominío cantoresco, pelo qual eu paguei e gostaria de ver funcionando. Será que aquelas amebas — sim, é já que eu perco a compostura — não conseguem elaborar mentalmente a possibilidade de um problema de balanceamento de tráfico e/ou incoerência de serviço entre servidores, porra?

Vou eu agora ter que ensinar o “Pai Nosso” aos vigários? Qualé?! :P

Coloquial

— E você faz o que em Campinas?
— Estudo Canto e Regência.
— E isso tem futuro?
— …

Hmmm… bad move! Péééssimo dia pra fazer um comentário desses nesse tom, olhos verdes. Cutucou bem o nervo que tá mais sensível! Mas tudo bem, ser referido como “sonho de consumo” até que não é de todo mau — menino, não me olha assim no meio da rua que eu fico sem jeito! Se você não tivesse entrado naquele ônibus tão de repente — o terceiro, né? — a gente até trocava uns telefones. Assim, sem compromisso… ;)

E agora, José?

“Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega o destino pra lá
Roda mundo, roda-gigante
Roda-moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração…”

O coração vai bem, obrigado. Saúde, auto-estima, a cútis tá que tá uma beleza! Mas eu quero ver quanto tempo tudo isso agüenta o bolso que padece de mal crônico. T? FODA! Não tô dando conta, não… mas vou, só não sei ainda como. E para os chegados, já aviso: eu não existo em abril. Vou virar aluno modelo – essa eu quero ver – e atleta padrão que ficar em casa estudando ou pedalar são as únicas coisas que não me causam agonia financeira. Financeira é piada, tá? Palavra muito elaborada pro meu caso. :P

E como se não bastasse, quando eu encosto a cabeça pesada no travesseiro e me preparo pra dormir – com problema ou sem problema, eu durmo – uma guerra começa do outro lado do mundo. Por que Bush e Hussein simplesmente não morrem de uma vez? Ah, eu sei que não ia adiantar nada, me deixa!

Tenho um par de ingressos para o Mvnicipal

É isso aí. Eu tenho duas senhas (uma minha, claro) para assistir ao ensaio geral da ópera O chapéu de palha de Florença, de Nino Rota, amanhã, dia 20/03, quinta-feira, às 18h30 (não pode atrasar), no Theatro Mvnicipal de São Paulo.

A pergunta é: Quem gostaria de ir comigo? Ou sem migo, tanto faz. O repertório é pouco conhecido (pouco efetuado) e bem interessante. O horário é ingrato, mas é de graça, né?

Então a regra é a seguinte: me deixa um recado (via comentário ou e-mail) o quanto antes. Deixa e-mail ou telefone, de preferência, ou me liga, se souber como — não, eu não vou colocar meu telefone, nem e-mail aqui pra serem recolhidos e incluídos em malas-diretas, mando por e-mail. :P

Detalhe: Eu só vou poder ver e-mails até amanhã ao meio-dia. Alea jacta est!

Spam do bem (de quem, cara-pálida?)

Eu sou daqueles que gosta muito pouco de receber e-mails inúteis – seguindo a minha própria tabela de inutilidade, faz favor, que não inclui meus amigos queridos –, principalmente de quem eu nem conheço.

Pois bem… é por essas e por outras que eu não consigo entender por que razão um cidadão pega o meu e-mail sem minha autorização, sem saber se eu quero e sem ao menos já ter falado comigo uma vez na vida e enfia o dito cujo em uma porcaria de lista de distribuição para anunciar campanhas, atualizações ou mudanças de layout de blog! Quer que eu leia, coloque no seu blog, deixe até um recadinho (pra mim!) e, se eu quiser, eu vou lá e leio. Se eu quiser ser avisado, eu peço. É assim que funciona, ou deveria. Mas é muito fácil criar uma lista e mandar tudo pra todo mundo sempre, não é? Pois é, mas isso é SPAM, sinto informar. Não interessa se é em prol das criancinhas tuberculosas da região central da ?frica ou sobre a bandalheira no Congresso em Brasília. É SPAM! Não parou pra pensar “hmmm, acho que o Gui vai querer ler isso aqui”, é SPAM! E de novo: É SPAM!!!

Daí, fico eu aqui na sinuca de bico porque não quero ser indelicado – pois o povo se melindra, e como! – e dizer: “Fulano, dá pra tirar o meu e-mail aí da tua lista? Não, eu não quero saber das tuas atualizações. Quando eu quiser eu vou lá e leio.”

Acho que há uma grande diferença entre serviço de informação pública e informação pública (e generalizada) de serviços, sabe como é?

Crepuscular

Mas para saborear um por de sol como o de hoje, com todos os seus tons de vermelho rosa e salmão contra um céu de azul degradê, eu sempre tenho um minutinho — já não disse que o tempo é relativo? Que se danem a análise, o contraponto, a tônica e a dominante!

Lunar

Nadar? Com uma lua imensa dessas? Ah, mas é hoje que eu viro boto!

Horosex

Para os taurinos, afeto e sexo se misturam. São doces sedutores. Não resistem a um carinho no pescoço (seu ponto mais sensível) e são capazes de enlouquecer o parceiro com suas carícias sensuais. Gostam de sexo devagar, como se quisessem possuir aquele momento e fazê-lo tornar-se eterno. São admiradores da arte, procuram pessoas belas e gostam de lugares aconchegantes para desfrutar o prazer.

(Josilene Sousa, Os signos e a sexualidade)

Onrron! Onrron! Onrron! E digo mais, ONRRON! ;)

Visita

É tudo ao mesmo tempo agora. Tendo visões e recebendo visitas. Até aí, tudo bem. A novidade é eu perceber que tô recebendo visita — mesmo sem saber quem é.

Mas o meu weekend off é de sentir e não de pensar, então eu vou sentir a minha cabeça no traveseiro e boa!

Visão

“Estou às margens do que parece ser um lago. Mas não é um lago comum, não é plano, é curvo como a secção de uma esfera saindo da terra. Não sei por que dou um passo adiante e entro em suas águas. Elas são limpas, claras e perfeitamente transparentes, mas não alcanço o fundo nem me parece possível mergulhar. Só é possível ficar na superfície e esta não é perturbada. Por mais que eu nade, permanece perfeitamente curva e lisa. Vou nadando e subindo até chegar ao topo do lago. E lá olho para o seu fundo. Um olho. O lago é um olho e estou nadando bem no meio de sua córnea! No fundo vejo a íris, a pupila contraída contra a luz do sol. Suas profundezas abissais protegidas da luz do dia. Mas o seu fundo sem fundo ma atrai e ali, bem no topo e no meio, posso mergulhar. Mergulho. O ar estranhamente não falta, mas quando estou a meio caminho, noto uma ondulação e um movimento na superfície. As pálpebras estão se fechando com uma onda na frente de cada uma. Observo. As matas ciliares são, de fato, cílios. A luz diminui lentamente até que elas se encontram, mas não se faz escuridão, apenas uma penumbra profunda através de um olho fechado. O suficiente para que eu enxergue meu caminho. Para dentro e para o fundo. A íris agora descansa, relaxa, liberta e se abre… Escuridão. Segura e aconchegante escuridão. Avanço. Ultrapasso. Não existe mais fundo, topo ou superfície, apenas escuridão. Não! Existe luz! Acostumado ao negrume vejo pontos de luz cintilante. Minúsculos, distantes, esparsos e inalcançáveis. Gradualmente eles se multiplicam, cintilam, oscilam e se desprendem da profundeza segura, flutuando soltos por toda a imensidão. Para o meu espanto alguns começam a se aproximar lentamente. Começam a crescer e tomar formas etéreas, diáfanas, mas inegavelmente humanas. Levezas personalizadas e desconhecidas que emitem uma luminiscência sutil. Iluminescência. Estou dentro do meu olho e fico a olhar aquele meu universo noturno que tenta delicadamente me iluminar sem muito enteder sua linguagem não verbal. Até que acordo, me desligo do meu sonho não dormido.”

Nunca, nunquinha eu vi meu inconsciente berrar assim comigo em plena luz do dia. Eu não sei onde foi que você tocou, mulher, mas foi uma chave das boas! E uma riqueza de detalhes, uma perfeição de imagem de fazer inveja a qualquer Spielberg da vida. E eu acordado… onde será que tava meu ego (super-ego?) em uma hora dessas?

Não sei se vou sonhar, se preciso sonhar, mas não tenho dúvidas quanto a uma coisa: tem alguém que precisa fechar os olhos para poder ver. A verdade não está lá fora, não. Tá aqui dentro.

Cyberencontro

E eu falei que a minha primeira regente, a segunda culpada por eu ser músico hoje — a primeira é mamãe —, deu as caras aqui no Figaro fazendo uma busca? Não?! Pois é… Me reconheceu pela voz no poema da Adélia Prado! Reeeeecorde!!! ;)

Trilha para um sonho acordado

Por conta da esbórnia acabei não registrando as imagens — maravilhosas, acreditem — que invadiram meus olhos durante a última sessão de canto-terapia-com-massagem. Vou até mudar a trilha. Enquanto eu escolho as palavras que descrevam o que é próprio dos (meus) olhos fechados, vocês meditam ao som de “Intorno all’idol mio”, ária antiga da ópera veneziana Orontea, de Antonio Cesti, à voz da Ceciliazona, óbvio. Combinado?

Intorno all’idol mio
spirate pur, spirate
aure soave e grate;
e nelle guance elette
baciatelo per me — cortesi aurette.

Al mio ben, che riposa
su l’ali della quiete,
grati sogni assistete
e il mio racchiuso ardore
svetagli per me — o larve d’amore.

Gentle, pleasant breezes,
blow
around my beloved;
and kiss his noble cheeks,
kind breezes, for me.

To my beloved,
sleeping on teh wings of peace,
bring happy dreams
and reveal to him my hidden passion,
on my behalf, phanyoms of love.

PS: Quando eu crescer eu quero ser que nem ela — salvo as devidas características vocais e sexuais, claro.

Vai, bestão! — a saga continua

Te mete a ir pra Cotia no carro dos outros sem perguntar se vão voltar ou que você precisa voltar, daí fica lá esperando ônibus na Raposão pra chegar a tempo em casa. Dormir pra quê?

O que a gente não faz pra matar uma saudade… Lica, meu anjo, como foi bom te ver assim tão linda. Docinho, se a gente vai se ver de novo antes de tu partir, só deus… mas a cútis tá que tá uma beleza, viu? Um pêssego! Onrron! :)

E Bertinho… repare o semblante perdoável: (:-] Desculpa o cano, vai? Você sabe que eu te amo, mas Fortaleza é muito mais longe que Campinas.

Esbórnia

…não sou de ninguém,
eu sou de todo mundo
e todo mundo me quer bem…

Cheguei não botando muita fé na festa — começou bem meia boca. E eu lá, só e então somente de macacão e capacete — tava uma cooousa. Convidado do convidado do convidado — é, vulgo bicão —, não sabia nem de quem era o aniversário. Pois bem… bebi, dancei — não tocou Village People, pô, eu tava temático! —, dei showzinho com a dona da festa e ainda ganhei beijo-vem-cá-meu-nego de despedida do dono da casa — casado, o safado!

É… saldo bem positivo. Heh!

Piramidal

Segundo o Thiago, no panteão egípcio este é o meu deus:

Deus Ptah – 16 de abril a 15 de maio.
O grande Deus da fertilidade masculina, criador de tudo que existe. Ele representa as forças criadoras espirituais, sendo considerado o Grande Construtor ou Divino Artesão, protetor das belas-artes e dos artistas. As pessoas que nascem sob sua proteção têm firmeza de temperamento, paciência e perseverança, um grande talento para as artes e tudo que se relaciona com construção de objetos. Para alcançar a felicidade devem canalizar todas as virtudes para a realização de coisas que tenham valor espiritual e despertem sentimentos de beleza e harmonia, caso contrário correm o risco de se transformarem em pessoas que vivem em constante insatisfação e não se realizam. No amor, encontrarão a felicidade quando conseguirem satisfazer sua exigente capacidade sexual.

Capisce? ;)
Claro que Bethânia tinha que estar cantando Dona do Dom enquanto eu escrevo isso. “Coincidência” pouca é bobagem.

Abra suas asas

Eu ia, juro que ia! Tô falido, ia ficar quieto aqui no meu cantinho, na boa. Ouvindo musiquinha, lendo um pouco, curtindo o meu umbiguinho apesar de receber TRÊS propostas de balada hoje — eita, povo animado!

Parênteses. Por que, raios, as pessoas sempre chamam a gente quando não há a menor e mais remota possibilidade de irmos? Fecha parênteses.

Mas a curupira me convida pra uma festa à fantasia DE GRAÇA, aí é sacanagem! Eu vou: Village People, macacão e capacete! ;)

Young man, there’s no need to feel down.
I said, young man, pick yourself off the ground.
I said, young man, ’cause you’re in a new town
there’s no need to be unhappy.

Young man, there’s a place you can go.
I said, young man, when you’re short on your dough.
You can stay there, and i’m sure you will find
many ways to have a good time.

It’s fun to stay at the Y-M-C-A.
It’s fun to stay at the Y-M-C-A.

They have everything for you men to enjoy,
You can hang out with all the boys…

Seriedades, introjeções e afins, beijo na bunda e até segunda!

Pulguices

E a tal da pulga continua pulga. E eu, que não tenho mais vocação pra peru e morrer de véspera, me divertindo com a possibilidade.

Ah, quer saber? Vou eu me consumir em ansiedade? Eu não! Vou deixar a dita pra quando eu quiser um pretexto pra me entupir de chocolate. Assim a gula não fica sozinha, não é mesmo? ;)

Ato falho

O-oh… cadê a minha pasta? É aquela preta, caindo aos pedaços, cheia de partituras a estudar, a analisar, a ensair. Xiii… ficou no armário, danou-se! Acho que eu tava querendo um weekend off e não sabia. Ponto seu, inconsciente.

E por falar no dito, tchau que eu tô só o bagaço. Parece não, mas essa história de treinamento em natação quebra a gente. Eu bem que queria um clone meu pra me fazer massagem — na verdade eu passava essa parte do clone, mas aí quem se habilita?

Shit happens

Inspetor de armas da ONU morre em acidente de carro no Iraque. (Folha)

Ah, que ótimo! Acidente ou não, era só o que faltava para acirrar ainda mais os ânimos belicosos. :-\ Não bastasse o presidente psicopata de um país cuja opinião pública é geopoliticamente mal informada querendo encrenca, tinha o outro que morrer em “solo inimigo”? Acho que vou acender mais uma vela branca porque tá difícil…

O que será que será?

Tem uma pulga enorme — mais ou menos do meu tamanho e de olhos verdes — atrás da minha orelha.

Hmmm… Agora… por que, afinal de contas, eu tenho a impressão de que H? um interesse não dito, velado sob o tom de uma conversa coloquial? Será meu inconsicente pregando peças? Ou não, será o inconsciente DELE aprontado a saia justa porque, se não me falha a memória, não costumo causar gagueira nas pessoas com quem falo, não! Esse dom é novo!

Diálogo corpóreo

“… Eles dormiram assim, como há muito tempo não dormiam, ela de encontro ao peito dele, ele dentro dela, pernas entrelaçadas, respiração misturada. Tiveram lindos sonhos, os dois, dos quais tinham apenas a lembrança da beleza. Passaram a fazer isto mais vezes, e ele acordava sempre com o coração leve, inchado dentro dela.”

Eu simplesmente adorei esse diálogo. Delicado como Asa de Borboleta.

Diabolique

Estou tendo idéias para a minha festa de aniversário… >;-]
Resta saber se serão executáveis. Tremei…

Vai, bestão!

Natação: danou-se, a monitora já tá com os zóio grande pra cima do meu treino.
Musculação: teste de carga máxima — a.k.a os monitores se divertem — ou teste de resistência dos (meus) materiais, o princípio do fim.

Ei! Eu sou músico, não o protótipo de marombeiro feliz do novo milênio! :P