I’ll not be watching you…

Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take
I’ll (not) be watching you.

Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay
I’ll be (not) watching you.

Oh can’t (I) you see
You (don’t) belong to me?
How my poor heart aches with every step you take.

Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll be (not) watching you.

Since you’ve gone I’ve been lost without a trace.
I dream at night, I can only see your face.
I look around but it’s you I can’t replace.
I keep crying baby, baby please…

Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll (not) be watching you.

Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll (NOT) be watching you…

Death, be not proud

 
HOLY SONNETS.

X.


DEATH, be not proud, though some have called thee
Mighty and dreadful, for thou art not so;
For those, whom thou think’st thou dost overthrow,
Die not, poor Death, nor yet canst thou kill me.
From rest and sleep, which but thy picture[s] be,
Much pleasure, then from thee much more must flow,
And soonest our best men with thee do go,
Rest of their bones, and soul’s delivery.
Thou’rt slave to Fate, chance, kings, and desperate men,

And dost with poison, war, and sickness dwell,
And poppy, or charms can make us sleep as well,
And better than thy stroke; why swell’st thou then?
One short sleep past, we wake eternally,
And Death shall be no more; Death, thou shalt die.

                                    (John Donne 1572-1631)

Um tempo

Hmmm… Sabe? Acho que vou dar um tempo com essa coisa blóguica. Não, não um recesso, não cansei de blogar. É que… Tem tanta coisinha pra eu resolver e eu gasto, sem perceber, tanto tempo entre ler e escrever e linkar e seguir e comentar… Eu me conheço.

Tenho que resolver aquela história absurda com a Receita Federal, tenho que parir uns projetos de trabalho, fazer uns contatos, pensar no que fazer no Dominium Cantorum — fora esse greymatter que tá capenga —, garimpar repertório, limpar meu micro, organizar minhas partituras, sair que eu não sou de ferro, correr, encontrar as pessoas, respirar um pouco. Não quero entrar em férias blogando. :P

Ei! Mas eu não tô em retiro espiritual, não! Manda um email, telefona, conta uma piada. Vamos tomar um chopp e, daqui a alguns dias, eu volto a escrever.

O que eu faço?

E agora eu não sei o que eu faço. Preciso dar uma equilibrada, correr um pouco amanhã, fazer barulho pra ver se volto pra Terra. Eu ainda tenho um trabalho pra entregar, caralho! Não dá pra ficar batendo asa, não! :P

Dia do artista lírico

Acabei de receber um e-mail dizendo que hoje é dia do artista lírico. Veio pelo e-mail do blog, então vou agradecer aqui: obrigado! :) E repasso, parabéns pra ti também, meu querido. ;) Parabéns pros cantantes.

Não poderia ser um dia mais adequado. Acabei de chegar de um recital de duas cantoras maravilhosas. Niza de Castro Tank (soprano) e Vânia Pajares (mezzo-soprano).

Vânia é minha professora, amiga, conselheira, comadre, confidente. Aprendo muito com ela, sempre. Niza… Niza é um mito. Ponto. Niza é uma adolescente de pouco mais de 70 anos. Esta “senhoura” canta (ainda! deve cantar há uns 50 anos), domina o palco e conversa com a platéia como se fosse a sala da casa dela. É mãe de boa parte dos cantores profissionais que hoje atuam por aqui e ainda os chama de filhos. É difícil encontrar alguém que passou pela UNICAMP e não passou pelas mãos dela. Se eu chegar aos meus 70 com a disposição e a voz que ela tem, morrerei feliz.

Agora… ouvi-la cantando Quem sabe, de Carlos Gomes, quase acabou comigo. É tão conhecida, tão batida e mesmo assim ela faz tão lindamente… é de matar mesmo.

Eu me fodi

É… eu me fodi. E não sei o que fazer quando vem a dor, a saudade, a lembrança, como um vagalhão, uma tsunami que varre minha tranqüilidade e arranca casa, e arranca árvore, e arranca pedra… e não resta nada.

Eu só queria saber quando é que esse tormento vai acabar. E não me venham dizer “quando você deixar” porque só eu sei o esforço sobre-humano que eu tenho feito em meu vôo pra não buscar o ninho que não me existe mais.

Damn it!

Mas eu tenho vontade mesmo é de exorcisar a cara do infeliz que J? tá mandando SPAM pro email novo. Não tem uma semana ainda, caralho! Encosto, dos infernos… :P

don’t panic!

A saber: Não há motivos para pânico. O que aqui se vê é um processo de sublimação. Auto-exorcismo, por assim dizer. Porém, sem auto-flagelação que eu não sou chegado.

Propaganda

Ainda na linha “popraganda” :), vamos aos informes:

Pra quem mora na Vila Madalena e adjacências — vocês dois e você, por exemplo — e gosta de forró, forró de verdade, tem uma casa nova aí na Fradique Coutinho, 1158. é o Portinho da Vila. Eles abrem por volta das 11h30 e, como tão começando, tão com um preço bem convidativo: homens a R$6,00 e mulheres free (eu acho o cúmulo isso, mas enfim…). Eu vou conferir que eu não sou nenhum pé de valsa, mas não sou nem besta. Além do que, conheço quem cuida da música. ;)

S?BADO, 06/07, vai ter o lançamento de um CD de música brasileira (entrada franca) de um grupo novo no SESC POMPÉIA, às 19h. É o CD Banana Creola com composições novas que podem ser conferidas aqui — os arquivos em Real Audio tão bem ruinzinhos, mas dá pra ter uma idéia.

Pronto! Acabou o reclame. :P

Ainda sobre o concerto

Ainda sobre o concerto — bom dia —, sábado tem de novo. Vai lá ver, cidadão! É bom e de graça. E pra quem quer aprender um pouquinho, será didático. :)

PROJETO AMÉRICANTIGA DE POPULARIZAÇÃO
DA MÚSICA ERUDITA

Mosteiro da Luz
Av. Tiradentes, 676
29 de Junho de 2002 – 15:00 horas

Paralelamente ao concerto de Abertura da Temporada
Américantiga de Concertos, há o lançamento do Projeto
Américantiga de Popularização da Música Erudita. Baseado na
observação de iniciativas bem sucedidas nesta área, o Américantiga
Coro e Orquestra de Câmara vem dar sua contribuição para o acesso e
familiarização com a música erudita. Isto se dará por meio de concertos
comentados, gratuitos e com orientação didática, realizados em locais
históricos da cidade de São Paulo. Estes concertos serão dirigidos ao
público em geral e as jovens participantes dos projetos sociais
conveniados ao Américantiga, como o projeto Cidade Escola Aprendiz e
A União Faz Arte.

O repertório do Américantiga — Coro e Orquestra é voltado para
a produção musical brasileira, hispano-americana e das penínsulas
ibérica e itálica no período que abrange os séculos XVI a início do XIX.

Concerto

Acho que esse espírito é culpa do concerto do AméricAntiga que eu fui ver com Zel, Marcelo e Gábis no Mosteiro de São Bento. Foi lindo. Muito bom mesmo.

E quando é assim eu saio leve, pensativo, filosófico. Eu vôo… ^_^

E Marcelo disse que quer me apresentar uma pessoa. Sei… ;) Já eu, não digo nada, só penso numa música.

Que venha se tiver de vir
Esse amor assim, assim…
(…)
Mais feito de futuro que presente,
Mais feito de futuro que presente.

E nem lembro a música inteira.

Trilha sem nome

E daí você resolve colocar a música que você tá ouvindo como trilha porque é muito linda, doce, delicada. Você não sabe que música é essa porque o infeliz que disponibilizou o MP3 não colocou o nome. Você sabe somente que quem canta é a Cecilia Bartoli, no seu recital Live in Italy, e isso basta. Entretanto, você descobre que é a Ma rendi pur contento, de Vincenzo Bellini (1801-1835) e pensa: “Claro, de quem mais? Quem mais escreveria essa melodia?”

Vale lembrar que você quer aquele CD de-ses-pe-ra-da-men-te. ;)

Saudade

E rola uma saudade. Rola sim, claro! Mas é algo hoje indefinido, uma saudade de momentos onde você não consegue ter certeza se é a pessoa que faz falta — daquela forma — ou se é o cheiro, o ato, o contexto, a condição em si. É como você puxar uma imagem da lembrança e notar, num misto de dúvida e incredulidade, que a pessoa, quando ali ao seu lado, não tem rosto. Toda a carga emocional está ali, presente na lembrança, ardente na memória, mas o elo faltante torna tudo atemporal. E você não sabe se é uma pontinha de tristeza que se pronuncia no peito, ou se puro saudosismo. E sorri.

E de repente você se pega pensando se tudo isso faz sentido. E mais: se tudo o que se estrutura e clareia agora na sua mente é pertinente, se é necessário e se deve ser dito.

Balla

Balla me liga no celular, direto da Nati, e comunica gentilmente que nossa relação está cortada se eu não tirar aquela foto horrorosa (segundo ela) dali. Acho de bom tom e prudente de minha parte acatar. ;)

Ok, lindinha, eu tiro, não precisa desse abuso, não.

Criança

Ah, eu viro criança nessas horas. :) Pulo, rio, comemoro mesmo.

Elogios

Sabe o que é ouvir, do nada, que você fez vários progressos técnicos, elogios de um dos seus melhores amigos e pessoa que você muito confia como músico, colega de área? Não, vocês não sabem.

É sublime!

Sabonetes

Liguei agora para a poderosa Diana Lee, a moça das poções. Vou pegar meus sabonetes, lalalalalalaaa… :)

E me deu uma saudade da Domi agora. vontade de pegar o primeiro ônibus pra Angra. Mas existe uma coisa chamada conta bancária que mantém meus pés onde estão, por enquanto. :P

Algo me diz

Algo me diz que cerca de 250Mb de email é um pouco demais pra uma mailbox. :P

Faxina

Faxina de férias: apagando, apagando, apagando… Não, apagando não: arquivando

1×0

Ok, ganhamos. Mas 1×0 tá meio chinfrim, tá não? :P Mas final de Copa é final de Copa e eu não vou perder, não, que eu não sou tão besta assim. ;)

Tá, ok, a Turquia jogou muito bem.

Jogo

AAAH!!! Socorro! Fogo! Guerra! É o apocalipse! Ah… não… é só um gol… zzzzzzz. Gol?! O JOGO!!!

pós-deprê

E você, observador atento, deve ter notado que há algumas semanas atrás eu andei mal. Não tenho muita experiência com isso, não tenho memória de algo parecido, mas acho que o que eu vivi foi um pequeno processo depressivo — usando o termo com toda a liberdade do leigo. As causas? Difícil dizer, mas a sensação de embotamento, de olhar pras coisas acontecendo ao seu redor e não entender, não conseguir interagir, não conseguir se expressar foi um tanto assustadora. Aparentemente, quanto mais o meu racional tentava equilibrar e domar meu emocional, e isso é praticamente um reflexo comportamental meu, mais eu me estrepava. Eu não tinha ação, não tinha forças, só queria sair dali.

Conversei com alguns amigos, pessoas mais velhas, com mais experiência do que eu, que me conhecem bem, outras nem tanto e consigo identificar alguns gatilhos, acho. Mas não dá pra atribuir tal processo a uma causa isolada. Desde o começo do ano eu estive em contato com uma parcela minha que, por muito tempo, eu mantive protegida, guardada, de certa forma isolada. Muita coisa mudou. Expus de uma vez só pra vida o meu lado não-calejado, sincero, imaturo, passional. Doeu pra caralho. Pela intensidade do choque, pela realidade do golpe, pela falta de sincronia, pela força da experiência. Ao mesmo tempo, uma situação financeira instável, um vínculo trabalhista fragilizado, um relacionamento familiar já desgastado. Parece um quadro horrível, mas eu sinto que não era pra tanto, são coisas com as quais eu consigo lidar. Então, per chè?

Por que eu me infligi esse estado? Não sei dizer. Talvez por não saber, talvez por não querer ver, talvez por não me conhecer ou, talvez, por precisar. Não tenho idéia. Assim como acho que não tenho a habilidade de falar disso aqui. Tagarelo porque ainda penso. E, quem sabe, chego à conclusão que supervalorizei tudo isso. Será? Ou será o contrário? É tudo muito importante, sintomático e deve ser destrinchado.

Seja o que for, está muito bem registrado aqui e cá dentro de mim, absorvido, amargamente engolido. Mas o gosto ruim passa, fica o efeito do remédio. E eu só consigo falar disso porque hoje minha alegria é mais forte. Sejam quais forem os sentimentos ou os ânimos que se movem no meu ser, eu tô caminhando e meu passo é firme, como deve ser.

Quase em férias

Estou quase em férias. Tenho um trabalhinho ainda pra entregar — amanhã, amanhã —, mas não preciso mais por os pés em Campinas. O vai-e-vem, aquela figurinha bizarra com mochilão, cello e bolsa assombrando o metrô vai dar um tempo. Minhas costas agradecem — não sei como agüentam.

E por Baco e todo o panteão da esbórnia, nada de acordar às 5h da segunda por um mês. AFE!!! Que alívio…

Prometi fotos

Prometi fotos, né? Doce ilusão a minha de que ninguém ia publicar fotos antes de mim, então vou colocar fotos que ninguém colocou ainda (que eu tenha visto). Aproveita e passa aqui, ali e acolá pra ver mais fotos.

Vamos a la popup que eu fiquei com dó dos usuários de linha discada.


Gui e Ana
(que felicidade),
Ana e Fê
(mais alegria),
Gábis dançando
(…vem debaixo do barro do chão),
Marcelo e Ed
(que meda!),
Gui, Teca e Sam
(caipiras da melhor qualidade),
Teca, Gui e Rô
(gente, que cara de safado),
Zelemília
(Emília, Emília, Emília…),
Sam e Rô
(o casal 50),
Teca e Carpe
(uau! quando é o casório?), Gui e Balla (cansados, mas felizes por demais!).

Ok. Temos uma censura. Eu protesto! :P

Passou?

Passou… PASSOU PORRA NENHUMA! ;D Não vou negar que tô com o ego massageado, vitaminado e lustrado. Mas… cricri que sou, já tratei de ouvir a gravação do recital e tenho mentalmente anotados todos os pontos a serem trabalhados. Eu funciono assim, não tem jeito. Acho que é inerente à condição de regente. Tudo pode sempre ser melhorado. Nada é perfeito, ainda bem, senão não tem mais pra onde evoluir. Contudo, un esforço bem direcionado há de ser reconhecido. Fiz bonito. Pronto, e agora? Vambora! :)

Nas nuvens

Eu… tô… nas.. nuuuuuuveeeensss… =-)

clouds (33k image)

“Você foi muito bem (…) conseguiu encorpar os graves (…) cantou tranqüilo (…) o agudo tava ali, redondo (…) a voz tava uniforme…”

Voilà! Agooora o semestre pode acabar, o mundo pode explodir, o céu pode ruir… tô nem ligando. ;) Lalarilalaaa…

Tema matutino

Hã-hãm…
BoooooOoOoOoOoOoOom DIIIiiiIiiiiiIIIIIIIIIIIiiiiiIIIIIiiiiiaaaaaaaa

Cadência sobre tema matutino. ;)
Passeadinha básica, emails e tchau, vou cantar. Até de noite, com fotos. :-*

ET

ET… phone… home… shower… bed… zzzzzzzzzz… Tipo assim, fui!

Recital de Canto

E amanhã, às 12h30, tem recital de canto. Tudo, TUDO pode dar errado amanhã, exceto aqueles minutos mágicos onde o que há de mais sincero em mim tem que brilhar, na voz. É pra cantar que eu durmo hoje e é pra cantar que eu acordo amanhã. A gente estuda técnica atrás de técnica pra quando pisar no palco ter tudo ali, no corpo, e cantar música, não notas. É mais ou menos assim. Qualquer hora eu gasto mais tutano tentando explicar a sensação. Por hora basta dizer que meu sangue não corre. Meu sangue ressoa nas veias a cada pulso, pois esse é o meu momento, a minha prece, a minha deidade. É o meu amor supremo.

Cãibra na bunda

*HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA* (essa merece até uma parada nos estudos)

Tem gente que anda tendo cãibra na bunda! Vê se pode?! ;-D E ainda diz que é falta de massagem. Sei… ;)

AmérikAntiga

CONCERTO – DIVULGAÇÃO

Para quem gosta de música antiga — e pra quem não conhece é uma excelente
oportunidade — tô estendendo o convite que a Andrea me mandou. É um trabalho de primeira qualidade.

“Caríssimo:

Quarta-feira (26/6), às 20:00, no Mosteiro de São Bento em São Paulo, concerto com o AmérikAntiga coro e orquestra, sob regência de Ricardo Bernardes. No repertório, obras de Durante, Antonio Lotti, Davide Perez, José Maurício e Scarlatti. Ah!!! Faremos o concerto também no sábado, 16:00h 15:00h, no Mosteiro da Luz – Av. Tiradentes, 656 (estação Tiradentes do Metrô).
Apareça e convide os amigos também…”

Estão todos intimados convidados.

Receita Federal

Chegou um comunicado da Receita Federal em casa. Deixa eu ver se entendi… tão me cobrando uma multa por um período de atraso na declaração que EU FIZ — é certeza — sobre um dinheiro que eu NÃO TENHO — já que eu sou isento. É isso? É, eu não entendi mesmo. :P

Quanto mais eu rezo…

Errado?

E não tem nada errado. Tá tudo caminhando. Devagar e sempre, para o alto e avante!

Missão Impossível

Pausa. Fôlego. Vamos lá…

Eu não sei por que eu tenho que esvaziar meu armário da faculdade de um semestre para o outro, mas enfim… agora ele é um modelo de caos compacto (existe isso?). Zipei! :) Pesa, viu? E vamos pra biblioteca.

Sou só eu ou tem mais alguém ouvindo o tema de Missão Impossível esta semana?

Acabou a pausa. Segundo tempo.

Cidadão, presta atenção!

Cidadão, presta atenção!

Ah, bravo Figaro! agora é http://cantorum.com/figaro.
Ah, os endereços todos mundicentos ainda valem, onde você acha que tudo isso tá hospedado?

Não vá se perder por aí… ;)

Ou melhor…

Já e hora de dormir
Não espere mamãe mandar
Um bom sono pra você
E um alegre desperar

Meu deus, isso é velho. :P

Jogo na quarta

Jogo do Brasil na quarta de manhã? Algo me diz que eu vou voltar mais cedo pra São Paulo.

Canja

Eita! Perdi o almoço e vou perder o canjão também, inferrrno.

Pipou, hoje não vai dar não. Tenho que ficar na minha que amanhã a labuta vai ser boa. A semana vai ser curta, mas intensa. E é a última, se deus quiser e ninguém mais atrapalhar. E eu quero ficar no meu canto também, não tô das pessoas mais animadas hoje. Mas uma canja e um vinhozinho agora, hmmm… não seria nada mau. :)

, não tem nenhuma casa pra alugar aí do lado, não? ;) Não! Tira essa cabeça da panela! Já disse que não dá pra eu ir! ;P Carpe, não deixa ela fazer besteira. Teca, dá tchau pro Marco por mim, tá?

Festa de novo

Ai, que desperdício! Tava conversando pelo ICQ com a Dri agora e cheguei à conclusão que pra aquela festa eu tava um perfeito celibatário. ;) *HAHAHAHAHAHAHA* Depois das últimas duas festas (minha e de Balla) eu me comportei bem até demais.

Mamã

E tchau! Vou ver minha mãe cantar. Apresentação do Coralusp agora à tarde. Não basta ser filho, tem que participar.

Depois, talvez encontrar o povo. Povo, passem as coordenadas!

A Festa

Gente! Não falei da festa das Delícias. Tô leso. Liga não que eu tô meio longe hoje.

A festa foi bem legal, sim, mas só foi possível dançar mesmo pra lá de 3h da manhã porque o lugar era pequeno e tava apinhado que só. Só dava pra dançar na vertical. Umas pérolas tocando que davam até medo, às vezes. *HAHAHAHAHAHHA* Mas o som tava bom. :)

, não me dá esse susto de novo, vai? Por favor. Eu não vou ser tão legal da próxima vez, viu? Bom…

Zel vira e diz, impressionada, que tinha muito mais homem que mulher ali. Eu fui obrigado a comentar. Veja bem, essa é uma questão conceitual, bi. *HAHAHAHAHAHAHA* você pode dizer que tem muito mais cromossomo XY do que XX. ;) Ela riu.

Agora, chato é que eu não bebi quase nada. Só dei uns goles que tava dirigindo. Sabe quando você tem a sensação de que vai fazer besteira se beber demais? Não bom.

Beijei. ;) Ah, as delícias de sempre. Mentira! Me pediram um beijo. Assim, na cara dura. Iniciativa é tudo, fala a verdade. Eu dei, ué? Mas… desculpa — nem sei se vai ler isso —, eu nunca beijei alguém com piercing na boca. Estranhei um pouco. Fiquei retraído.

Mudança de e-mail

E essa história de domínio próprio, essa auto-suficiência cibernética, me fez lembrar de E O Vento Levou. Dá pra fazer uma adaptação:

Jamais trocarei de e-mail novamente!!! (entram os violinos, a câmera se afasta, eu com o mouse na mão em gesto triunfal…) ;)

Mas o e-mail do blog, esse trocou. Veja lá, gui@mundissa.com móóóóóórreu porque eu não agüento mais receber SPAM, caralho! Aquele oooooutro — que eu não vou colcoar aqui — tá vivinho da silva. E a gente vai assim, de tempos em tempos eu mudo, crio um alias novo e despisto os malditos spammers. Que morram todos de hemorróida gangrenosa. Ô corja! :P

Dormir

Como é que pode? Eu sou o último a dormir e o primeiro a acordar?

Dominium Cantorum

Tá dominado! Tá tudo dominado!

Psiu! Ei! Pssssssssssssssssssssiu! ;) Tem coisa nova por aqui, tá vendo? http://cantorum.com é brincadeira nova. Brincadeira mais séria. Um projeto que começa a sair do mundo das idéias, de-va-ga-ri-nho. Por enquanto é tudo uma mundiça só e por aqui vai ficar.

Em breve (ma non troppo), esse vai ser o endereço do meu Dominium Cantorum, uma coisa mais profissional e menos pessoal. Mais música, menos blog. Uma coisa mais autística, sabe?

Mas por que cantorum? Apesar de parecer óbvia, a conexão é mais ampla. Cantorum porque eu acho que toda música é, basicamente, cantada. Internalmente, mentalmente, espiritualmente o músico canta e faz cantar o instrumento em suas mãos. Sendo assim, a música tem no canto a sua origem. Cantorum, de cantores.

O Figaro? Ah, continua, né? Quem disse que eu consigo manter minha boca fechada? ;P

Baile

Tô levando um baile do blog da Marie que pelamordedeus!

O que me lembra, alguém pode fazer um banner “Eu odeio o sistema de arquivos do blogger”, plis? Essa porra tem vontade própria, caralho! :P

Sabadão

Vamos à narrativa sabadonesca. :P

Acordei com esse diazinho schifoso, sendo que eu tinha jurado pra mim mesmo que ia pro parque hoje de manhã. O que uma força de vontade inabalável — leia-se: consciência achocolatadamente pesada — não faz. Estou lá, correndo que só, quase indo embora pra casa da Zel e encontro quem? Minha colega-atleta-sazonal, essa pessoa DE coco com pimenta que atende — quando dá na telha — pela alcunha de Docinho. Mulé, que saudade! Como tu tá linda com esse sorrisão no rosto! Gostei de ver. :) Conversamos rapidamente que eu tava atrasado já e basicamente sobre… er… massagem! É, isso, massagem. ;) Pula essa parte. Docinho, boa viagem, viu? Aproveita bastante.

Saio eu correndo (mais) pra casa da Zel. Nem cumprimento o povo direito e me toco pro chuveiro que o catinguelê ali tava brabo!

Lindo, leve e cheiroso, bora cumprimentar o povo e comer. Você já comeu filé mignon com molho de morango e pimenta? NÃÃÃÃÃÃO?!!! Pois é, nem eu tinha… mas é divino, maravilhoso! Arroz com alho-poró, refogado de jiló e salada dadaísta by Tips. Creme de limão by dupla-dinâmica pra arrematar e todos foram muito felizes. Na minha concepçã, esse foi um almoço maraviz. Estravalhas será quando Marcelo pilotar o fogão (estragalhas, segundo ele).

E o evento massagem ocorreu novamente, a pedidos do Marcelo. Tava com saudades disso. Cansa, mas é tão bom! Duas frentes se estabeleceram: guimãosdetrator e japazen. Tô com a mão cheirando a jasmim e vetiver (sabe-se lá como se escreve isso) até agora. Ganhei uma massagem divina do Nor e vim pra casa feliz. :)

Ei Nor! Tu não ganhou massagem, né? Foi mal. Tô devendo.