Barba

E aqui vai um último sacrifício de Ano Novo: fazer a barba. ARGH!!! Como isso é ruim. :P

Agora só ano que vem. Bom Reveillon a todos, sejam muito felizes, não façam bobagens muito grandes pra poder festejar o próximo também. Eu tô indo passar o Ano Novo com o Gábis, Ed e amigos. Vou pensar muito nos ausentes e abraçar muito os presentes. Beijos!

E amanhã, eu vou ver O Senhor dos Anéis DE QUALQUER MANEIRA!!! :)))

Drogas

E por falar em drogas — não sei se já falei sobre isso aqui —, eu não gosto delas. Nunca gostei. E antes que alguém me venha com a máxima “mas você nunca experimentou, como pode saber que nao gosta?”, eu explico: eu não gosto do conceito, entende?

Não gosto de ter minha percepção alterada — já tenho caraminholas demais na cabeça — e a questão da dependência me assusta, *muito*. Não, nunca experimentei nada além de bebida alcóolica — bebo muito pouco e muito mais pelo prazer palatal do que qualquer coisa — e nem vou, pelo menos essa é a minha opinião hoje. Pra quê? Vai saber se eu tenho tendência a criar dependência? Tenho, via de regra, uma resistência alta à substâncias químicas, mas dependência química é coisa séria e dependência psicológica, o tapete mais fácil de ser puxado. Se minha resistência é alta, que doses eu teria que tomar com o passar do tempo?

Vejo meu pai, que vem tentando parar de fumar faz tempo e me aparece com argumentos cada vez mais absurdos para justificar porque não parou de uma vez. A verdade é que ele não consegue, por mais ajuda que eu tente dar.

Minha mãe parou depois de uns 30 anos fumando e foi preciso um trauma, uma situação realmente assustadora e muita, mas MUITA energia minha e da minha irmã pra ajudá-la. Se ela não parasse de fumar, logo, logo não conseguiria mais cantar. De minha mãe herdei a musicalidade que carrego, pra minha mãe não podia deixar essa porta se fechar. Mas eu não me iludo, a agonia que eu senti não é nem um décimo do que ela deve ter sentido. A vitória é dela, e estamos falando de cigarro.

O fato de eu ser um cantor já descarta toda e qualquer droga de aplicação por vias respiratórias. Eu não vou brincar com a sorte dessa forma. Não sou louco. Quanto às injetáveis… ah, pera lá! Se eu não dei o primeiro passo não vai ser o último que eu vou dar.

E por ser muito complicada essa questão de dependência química e psicológica é que eu sou muito reticente quando se fala em legalização de algumas substâncias ilícitas. Na minha opinião, algumas pessoas nunca deveriam ter experimentado. Já vi gente se afundar por causa disso e vejo gente se afundando e jurando que não, que tudo está sob controle. Eu fico muito triste. Acho que a nossa sociedade não tem estrutura pra sustentar uma decisão dessas, mas espero estar enganado.

Cassia Eller

O QUÊ?!!!
Cassia Eller morreu? Overdose (não é certeza)? Mas… *sigh* por que as pessoas fazem isso, meu deus?

Chuva

Chuva feladaputa!!! *ping* *ping* *ping*
Não podia esperar eu chegar em casa, não? :P

Liqueur

Eu *ia* assistir Lavoura Arcaica hoje. Ia, porque claro que eu cheguei atrasado e os ingressos já estavam esgotados. Ao invés, assisti E sua mãe também e gostei muito. Na realidade o filme é triste, mas divertido. É, eu achei assim e não vou falar mais, vá assistir. É bem bonito. As cenas da praia me deram uma saudade do mar…

Encontro com Gábis e Ed, muito carinho, muita atenção — viu, Ed?! — e pos-si-bi-li-da-des de mousse de chocolate. :P Grazie mille, fratelli.

E agora fico eu, como vim ao mundo, no meu quarto, com um copo de licor de jabuticaba em uma mão e o queixo na outra, a pensar nas coisas da vida. Tic, tac, tic, tac, tic, tac… Cama! Now!

Nóia

Xiii… entrei em nóia hoje. E foi a que me agüentou — inusitado isso, não? ;) Sabe o que é? Eu tenho um pequeno-grande defeito que pode ser classificado de forma simplista como ansiedade. Mas é uma coisa meio ensimesmada e de funcionamento caótico, percebe? É assim que funciona, eu acho:

Er… eu fico maluco se eu não tenho um feedback! Eu preciso sabeeeeeer, só isso.

O que eu faço nessas horas? Leio, escrevo, canto, como — estou tentando evitar esse — sapateio, assovio e chupo cana, pedalo — da última vez, por quatro horas —, ando, mexo no layout, ouço música escandalosamente, enfim!!! Qualquer coisa que jogue a minha atenção pra longe.

O que me causa esse estado? Quando eu faço alguma coisa que me *obriga* a esperar um retorno — seja ela uma ação, informação ou resultado, não faz diferença —, eu não posso fazer nada, exceto esperar.

Mas a coisa passa porque eu tenho um certo controle, então me seguro. Mas pra quem me conhece intimamente, é óbvio que eu tô naquela “consumição”, fazer o quê? E a foi a escolhida, pois tem culpa no cartório — cachorra!!!

Sem carro

Droga… vou ficar sem carro no Reveillon. :-\ Tava contando com ele, mas parece que o povo aqui conseguiu se organizar da pior maneira possível, sair de São Paulo e me deixar a pé (Gábis, tem crase nessa porra? Esqueci…).

Sapato

PRONTO! Agora eu posso voltar aos prazeres mundanos e dizer que eu achei um não, mas dois pares de sapatos maravilhosos e deliciosos que meu cartão de crédito pode suportar. :) Eu sou a pior pessoa no mundo pra comprar sapato. Já ouviu falar de formato padrão? Meu pé não ouviu, consegue ser largo e alto ao mesmo tempo. Já teve vez de eu rodar TRÊS shoppings e não achar um único par que desse nos meus pés.

Pra falar a verdade, eu achei três pares, mas o santo protetor da conta bancária — deve existir — interviu e sumiu com a cor que eu queria. Ainda bem, pois eu tava animado. Perigo total.

E essa foi a última e derradeira loucura de 2001, senão vão barrar a minha entrada em, 2002. ;)

Namastê

Cheguei da rua com bobagens, coisinhas pra falar aqui. Mas fui surpreendido por um email com uma mensagem de um amigo muitíssimo querido que eu não vejo há anos. Ele respondeu à mensagem de fim de ano que eu deixei aqui e mandei, por desencargo de consciência, pra um email antigo dele. Fiquei tão feliz com isso que vou colocar a resposta aqui.

“A cada dia da minha vida estive buscando essa origem maravilhosa de que todas as religiões, crenças, seitas e culturas falam. Nunca concordei com textos, palavras ou rituais seguidos à risca e às cegas por muitos, mas sim no amor que nos une a cada Ser, humano ou não, com o qual compartilhamos essa existência nesse universo.

Acho que a espiritualidade é isso, amar e respeitar cada Ser, simplesmente por entender que não existem diferenças entre nós. Não somos nosso corpo, assim como os demais Seres não são a forma física que assumem, somos nossa alma (ou Eu Superior, ou Imagem Verdadeira, ou Espírito, ou tantas outras denominações) que é a imagem e semelhança de Deus, eterna, maravilhosa, pura, verdadeira…

Os Hindus tem um termo em sânscrito que na minha opinião expressa isso de forma muito profunda: Namastê. Quer dizer Eu saudo o Deus que há dentro de mim e saudo o Deus que há dentro de você.

É com muito amor e reverência que eu pronuncio essa palavra para você meu amigo…

Namastê, Guilherme.”

Namastê, Robson. :)

A partir de agora, estou incorporando essa saudação ao texto lá embaixo que eu havia deixado aqui a todos vocês. Porque ISSO é amor, ISSO é espiritualidade, ISSO é semelhança divina.

Pedalando com a Caloi :)

Leis de Murphy aplicadas ao ciclismo:

1- Você *nunca* vai lembrar de que, não importa o quanto vá, você vai ter que voltar.
2- O vento sempre está contra você na subida.
3- Atropelamento de ciclistas dá mais pontos porque eles voam mais longe. Só perde pra velhinhas.
4.1- Aquela
vaca
daquela perua loira naquele Citroën Picasso — Picasso de cu é rola — não vai te ver antes de quase te jogar em cima de uma lixeira.
4.2- Na realidade, ela não vai nem olhar, nem dar seta e, se bobear, vai estar falando no celular.
4.3- Não, não vai dar tempo de você arrebentar o espelhinho dela porque você estará lutando pela sua vida, mas ela deverá ouvir alguma coisa estranha sobre a mãe dela.
5.1- There will always be dogs.
5.2- Eles correm.
5.3- Eles mordem.
5.4- Os donos juram que não.
6.1- Não beba mais água do que você pode suar pois não dá pra mijar da porta do banheiro.
6.2- Não, você não pode entrar no banheiro com uma bicicleta.
6.3- NÃO! Aquilo é para deficientes físicos, cadeira de rodas, sua ameba!
7- Isso aí na sua testa é sal. Não! Não esfregue, lave!
8.1- Tá vendo aquele garotinho de totica? Ele vai virar em cima de você, olha só. BINGO!
8.2- O pai dele *é* maior que você, portanto desvie.
9.1- Ah, a perna tá doendo? Quem mandou morar no topo do morro. Pra sair foi bom, não foi? Se fodeu. :P
9.2- Sim, existem mais subidas que descidas. Embora improvável, tenho certeza.
10- Não obstante, é bom pra caralho! :)

Caiçara

Giulieta está descobrindo o maravilhoso mundo felino. Natural, minha flor. Quem não acharia fofa uma lindura
dessas
? ;)

E por falar em flor — porque eu quero agora que seu mundo se abra e resplandeça em flor —
essa
é pra você. :-*

MP3

Fiquei até essa hora esquecida por deus trocando arquivos de música renascentista com o Edgard, um ilustre desconhecido que eu não sei como foi parar na minha lista do ICQ — detalhe, nem ele. :) Gente fina o Edgard, mas até eu fiquei impressionado com o gosto musical dele pra um garoto de 17 anos. O menino é barroco, gosta de estudar latim… er… ô, Edgard! Você é pior do que eu! Ganhou feio! :P Mas tudo bem, ainda é tempo de enfiar o pé na lama, com eu disse. ;)

euzinho da silva

Gostei muito
dessa foto
que a minha prima tirou. Tô tão simplesmente feliz. :) E olha que eu sou ruim pra gostar de foto minha — tá, tá, eu sei que sou auto-crítico, já falei isso.

Pensando bem, eu melhorei muito até, foi um ano de evoluções. Tô até me achando bonito. ;) Um pouquinho…

Garoa

Que tempinho hooorrível. :P Mas fui pedalar mesmo assim, manter a forma — não a redonda —, certo? Mas, diga lá, precisava garoar? Não bastava o vento frio? Se bem que do jeito que eu vou, garoa, sem garoa não faz muita diferença. Eu chego molhado do mesmo jeito. :)

Gata matreira

Tem uma gata matreira andando pelo meu telhado. *HAHAHAHAHA* Ô, bichana, só que você escreveu o seu endereço todinho errado. :P

Prrrrr… Quer dizer que era você me sugando num zoom, ao vivo e à cores? Eu sou gato vira-lata, por que não miaste? Adoro serenata. ;)

O gato
Vinícius de Moraes

Com um lindo salto
Lesto e seguro
O gato passa
Do chão ao muro
Logo mudando
De opinião
Passa de novo
Do muro ao chão
E pega corre
Bem de mansinho
Atrás de um pobre
De um passarinho
Súbito, pára
Como assombrado
Depois dispara
Pula de lado
E quando tudo
Se lhe fatiga
Toma o seu banho
Passando a língua
Pela barriga

Frio

Alguém, por favor, me explica o que é esse frio em pleno 25 de dezembro? Oops! 26 de dezembro? Cadê o verão que tava aqui nessa cidade paulistana. Tá garoando, cazzo, e eu tô sem cobertor de orelha, isso não se faz! :P

Weno

HA! O Weno é um fofo! Ele fez um cartão de natal pra gente.

Weno, meu querido, você sabe que amigos atraem amigos, não? Pois é, então 2002 será perfeito, claro! :)

Bobagens

Tô escrevendo muita bobagem aqui, ultimamente. Não nego que tô de férias. :)

Jingle Bell

Vamos lá, comigo! Jingle bell, jingle bell, jingle all the way… (alguém conhece a versão em português pra essa música?)

Natal, gente. Feliz Natal pra todo mundo! O meu foi bem legal, e não por causa do Papai Noel, embora este não tenha sido nada mau. Foi legal porque eu tava junto a pessoas que eu amo, meus primos que moram no exterior estavam aqui, a criançada da nova geração — culpa do meu irmão e alguns dos meus primos, eu não tenho nada a ver com isso — me fez lembrar a minha infância nas festas, foi bem divertido. E eu tenho que agradecer por ter uma família que se gosta. Tudo fica mais divertido, até os “causos”. Aliás… por falar em causos…

Eu fui premiado esse ano. LOL! É que tem uma tia velha — lá com os seus 387 anos, mais nova que minha vó, portanto —, prima da minha mãe, que é um terror pra dar presente, todo mundo prende o fôlego antes de abrir um pacote dela. E adivinhem quem foi que ela tirou no amigo secreto. Eu, claro, que dúvida! :) Não, olha só isso: a gente combinou uma faixa de preço e cada um saiu fazendo lista de possibilidades de presentes, facilitando a vida dos amigos secretos. Eu pedi uma bolsa estilo mochila, alguma coisa transada — porque eu detesto carregar tranqueira no bolso e a minha bolsa-carteiro está em petição de miséria —, dei um lista enoooorme de possibilidades em CD, livros, etc. Qual não foi a minha surpresa quando eu abro o pacote que ela me deu e tiro de dentro… uma bermuda de surfista! “Er… obrigado, tia!” (eu *nunca* usei uma bermuda de surfista na minha vida! LOL!) “Eu achei a sua cara!” “Ah… tá.” (Tem dia que a noite é escura… e uma prima minha rindo, na cara dura… cena bonita…)

Mas minha prima de NY me trouxe uma bolsa-carteiro ótima da Old Navy que foi providencial, ou seja, tudo bem, já tenho onde carregar minhas partituras. :) Ganhei cinco CDs, um melhor que o outro e a linda da minha cunhada me deu um perfume maravilhoso da Yves Saint Laurent que me deixou até sem graça. Mas eu adorei mesmo assim. ;) Foi ótimo!

So this is Christmas

So this is Christmas…
Eu não sou uma pessoa profundamente religiosa, no sentido ritual da palavra. No entanto, sou uma pessoa profundamente espiritual. Por que profundamente? Porque o que eu sinto é um anseio, quase uma necessidade de encontrar algo ou alguém além desse plano de existência. Há uma força que me impele a buscar sinais, a acreditar. Acredito que essa nossa vida simplesmente não termina com a morte — não sei se porque sempre foi assim ou porque fizemos assim — e acredito no bem, na boa vontade, na evolução da mente a da alma.

Não acredito em fanatismos. Minto. Detesto fanatismos. Um regime fanático tenta, por meio da força — física, intelectual ou espiritual, tanto faz —, impor sua verdade, uma realidade própria que soterra todas as outras possibilidades de verdade, pois elas existem. Ele tolhe, de forma intolerante, a diversidade. O fato de negarmos a existência de uma possibilidade não significa que ela não exista. As possibilidades sempre existem, acreditemos nelas ou não.

Acredito na liberdade, na igualdade, na fraternidade. Acredito que a liberdade de um termina onde a liberdade do outro começa. Faz-se necessária então a sociedade, mas ainda temos muito o que aperfeiçoá-la. Acredito na igualdade, quando a diferença nos discrimina, e na diferença, quando a igualdade nos descaracteriza — quem disse isso? Acredito na força das boas intenções, mas não na sua infalibilidade. Acredito na força das más intenções e, portanto, às nego.

Acredito no amor, em sentido amplo, diverso, completo, não como uma força imutável, certa, mas como uma força de mudança, às vezes de evolução, às vezes não. Mas essencialmente uma força da vida. Acredito, com todo o meu ser, com toda a minha vontade, na Vida. E acredito na arte como expressão dessa energia vital.

Acredito nos direitos humanos. Acredito nos direitos dos seres vivos. Acho que o homem só vai parar de pisar em falso por aí quando entender de uma vez por todas que ele *não* é o herdeiro de Deus. Que se Deus tem herdeiros, somos todos portadores desse quinhão. Equilíbrio é a chave.

Portanto, aposto na diversidade. Na mente, corpo e espírito. Tenho no peito a certeza de que o universo tende a ser tolerante a medida em que cada verdade aprende que não é única.

Portanto, sou filho pródigo da Esperança. Sou crente, sou amante, sou fiel. Sou eu mesmo a cada dia e luto com cada fibra para ser melhor.

E desejo. Desejo em prece, em um anseio vibrante que este novo ciclo traga o bem, a evolução, a liberdade, a igualdade, a fraternidade, a diferença, a diversidade, a tolerância, a mudança, o equilíbrio, a esperança, a vida, o amor e o peito cheio de arte a todos aqueles de boa vontade.

Amém! Shalom! Saravá! Namastê!

Hallelujah!

Hallelujah!
Funcionou! Agora as datas estão em português, como deveriam, eu sei mais sobre os scripts do Greymatter e terei esquecido tudo dentro de uma semana. :P
Vamos ver quanto tempo demora pra aparecer um bug nisso aqui.

Ontem

Mas não é só dos meus amigos, ternamente simbióticos, que eu vou sentir falta até a chegada do Ano Novo. Eu vou sentir falta… de… *giggle*

Eu vou sentir falta de ontem… :-)
É a vida, fazer o quê?

Zel

Hmmmmmmmf! Acabei de falar com a Zel no telefone. Quer dizer, ela me ligou, louca, por causa de um recado que eu deixei no celular dela. ;) Mas isso *não* vem ao caso.

O que acontece é que me bateu uma saudade, uma antecipação de saudade pois eu não vou vê-la no ano novo. Uma vontade de abraçar aqueles peitos, de deitar naquele colo, de dar risada de… estar junto. Nem deu tempo de falar com o Marcelo direito. Ô, Marcé-lô! Eu não vou deitar no seu colo, não, mas do abraço eu também sinto falta. E das conversas. E das risadas. Ah, de tudo!

Testimonia tua

Musiquinha nova! :) Quem tá cantando aí ao fundo é uma soprano chamada Sophie Daneman. É uma gravação com o Les Arts Florissants, sob a regência de William Christie, seu diretor musical. Dos grandes motetos de Jean-Joseph Cassanéa de MONDOVILLE (1711-1772), esse é o trecho final do Testimonia tua do moteto Dominus regnavit.

O Les Arts Florissants é um dos grupos vocais e intrumentais mais completos e mais importantes de música antiga da atualidade. Particularmente, seu trabalho contribuiu muito para trazer de volta ao cenário francês o interesse no repertório francês dos séculos XVII e XVIII, e no repertório europeu desse período, genericamente.

*Dica: Se você tem algum amigo ou amiga que gosta de música antiga, música barroca, ópera barroca, etc. — eu! eu! eu! — qualquer CD do Les Arts Florissants é um presente certeiro. Garantia de satisfação ou seu dinheiro de volta. ;)

Pra quem quiser ouvir a música completa, com qualidade decente, clique aqui pra pegar o MP3.

Futuros amantes

Entrei na página do Chico Buarque e dei de cara com essa música. Na atual conjuntura, foi inevitável. ;)

Futuros amantes
Chico Buarque/1993

Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios
No ar

E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos

Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização

Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você

Datas

PORRA!!! Alterei os scripst CGI, mudei as variáveis, abri, fechei, gerei os arquivos de novo e essa merda dessa data continua em inglês. Pra que definir variável se não usa, caralho? :-\

Alguém aí que está se aventurando no universo do Greymatter tem alguma dica?

Mordida

*HAHAHAHAHAHA*
Taras familiares: eu adoooro morder a minha mãe. :) Parei do lado dela — após mordê-la, claro — e pensei em voz alta: “mas que coisa mais doente!” Ao que ela me olha com um sorriso meio de esguelha: “não seja por isso, eu adorava fazer a mesma coisa com a sua avó.” LOL! Depois tem gente que não acredia que eu sou uma pessoa meiga e carinhosa. É de família, gente! >;)

Quem sai aos seus não degenera, mas também não progride. ;)

Gentileza

Ah… alguém que fazer a gentileza de colocar os links aí na coluna amarela pra mim? Acho um porre essa história de [a href=”bláblábá” title=”blébléblé” target=”_blank”]bliblibli[/a], etc. :P

Aproveitando o ensejo… um cafuné, uma massagem nas costas, outra nos pés e eu fecho o pacote. ;)

Russo

Eu não acredito que o Alexei abriu um blog para os links de suas pesquisas nérdicas pela internet. :P Salve, geek!

Tem um link interessante para um site com diagramas sobre a história das linguagens de computadores. O curioso é que ele, claro, suprimiu o link para a parte de Windows. *HAHAHAHAHA* Rancoroooso… ;)

Taquiospa

well… onze horas de sono… acho que o tempo passou MESMO. :)

Sleep

… and so I’m gone to sleep, for there is nothing more to do tonight and I realized that only through the dawn time will return to its moving.

Montserrat Caballé

Montserrat Caballé
Descrever uma voz em palavras é uma tarefa impossível, mas menção deve ser feita acerca das qualidades particulares que fazem Caballé única. Sua incrível versatilidade é, por si só, um fenômeno. Provavelmente, nenhuma outra diva obteve tanto sucesso em repertório tão diverso. Há um perfeição impressionante em sua voz no controle das dinâmicas (especialmente nos pianos e pianíssimos) e através de frases longas. Sua delicada coloratura — grande agilidade na execução de notas seguidas — é caracterizada pelo brilho presente nos seus trilos, escalas rápidas e na grande extensão de sua voz. Tudo isso, contudo, sem deixar de ser doce, macia, redonda.

Quem ainda não ouviu Montserrat Caballé cantando, ouça! :)

CD

A-H?!!! Me dei um CD com gosto, afinal. Abre parênteses. Eu acho que nunca vi o preço dos CDs tão caro quanto esse ano. Estive no FNAC com o Gábis e cheguei a encontrar um CD, unzinho só, por R$61,00. Não, não era duplo. :P Fecha parênteses.

Voltando… Fui revirar o balcão de promoções da Seis de Ouro. A seção de música erudita dessas promoções é uma tristeza só, geralmente tem aquelas títulos que sabe lá deus quem editou, libretto nem pensar, um pot-pourri, uma salada mista. Enfim, nada de filé. Qual não foi minha surpresa ao dar de cara com um CD duplo, uma coletânia da Montserrat Caballé, por meros 20 mangos! Não deu pra resistir. :) A criança foi feliz.

Shopis

ARGH! Por que mãe leva criança junto pra fazer compras nessa época do ano? Daí fica aquela coisa pelos corredores dos shoppings, supermercados e afins. Uma pessoa com sacolas penduradas por todos os lados e pentelhinhos satélites de um lado para o outro. Eu gosto de crianças, mas não nesse contexto.

Bem dizia minha sábia mãe quando eu e meus irmãos pedíamos para ir com ela ao supermercado: NEM MORTA! :) Não é um doce?

Cadê você?

Cadê você (Leila XIV)
João Donato/Chico Buarque/1987
Para o filme Quando o carnaval chegar de Cacá Diegues

Me dê noticia de você
Eu gosto um pouco de chorar
A gente quase não se vê
Me deu vontade de lembrar

Me leve um pouco com você
Eu gosto de qualquer lugar
A gente pode se entender
E não saber o que falar

Seria um acontecimento
Mas lógico que você some
No dia em que o seu pensamento
Me chamou

Eu chamo o seu apartamento
Não mora ninguém com esse nome
Que linda a cantiga do vento
Já passou

A gente quase não se vê
Eu só queria me lembrar
Me dê noticia de você
Me deu vontade de voltar

Quero mais

E queromais. Porque eu sou vivo, sou livre, sou alegre e quero ver todo mundo sorrindo. Quero ver você feliz. Quero ver Irene dar sua risada.

Violões

Ah! Russeau, lamento dizer que a apresentação ontem na Sala São Paulo era única. E lamento também dizer que eu não consegui assistir. :-\

Mas eu não quero falar disso agora não porque eu não quero estragar o trabalho que o bom e velho fratello Gábis teve pra colocar meu humor nos eixos e aplacar a minha ira que ameaçava o quarteirão — baixinho é foda. Salva, e muito bem salva a minha noite na companhia de dois amigos mui queridos: Gábis e Ronaldo. Bebemos, comemos e dançamos e rimos. Ronaldo se casa em janeiro próximo. Estaremos todos lá, tocando o puteiro. ;)

Sugado

Você já foi *sugado* por um olhar no meio da rua? Mas assim, só o olhar, mais nada. Nenhum gesto, nenhuma investida, nem uma única palavra. Apenas o olhar, assim por uns cinco segundos, te prendendo, te dizendo, te lendo.

Passei por isso hoje no metrô e simplesmente não conseguia virar o rosto. Tô com a imagem daquele olhar ainda estampada na memória. Pipou, quase perdi a estação! Hmmm… sabe que… acho que devia ter perdido. :)

Motoca

Russeau, QUINZE aulas de QUARENTA minutos cada? Fora os 300 paus… Não tem supletivo, não? :) Não dá pra fazer exame de proficiência? Afe…

Insônia

Ah, Kika… na minha opinião, insônia é quando você *tem* sono, vai pra cama e *não* dorme. Isso nunca me aconteceu. Eu não tinha sono, apesar de, pelo horário, ter que ter. Sei lá, não sou especialista em falta de sono. :)

Zel & Marcelo

E por falar em Zel, já tô com saudades, caralho! Vou deixar aqui uma música pro casal MarZelo.

A Bela e a Fera
Edu Lobo – Chico Buarque/1982
Para o balé O grande circo místico

Ouve a declaração, oh bela
De um sonhador titã
Um que dá nó em paralela
E almoça rolimã
O homem mais forte do planeta
Tórax de Superman
Tórax de Superman
E coração de poeta

Não brilharia a estrela, oh bela
Sem noite por detrás
Tua beleza de gazela
Sob o meu corpo é mais
Uma centelha num graveto
Queima canaviais
Queima canaviais
Quase que eu fiz um soneto

Mais que na lua ou no cometa
Ou na constelação
O sangue impresso na gazeta
Tem mais inspiração
No bucho do analfabeto
Letras de macarrão
Letras de macarrão
Fazem poema concreto

Oh bela, gera a primavera
Aciona o teu condão
Oh bela, faz da besta fera
Um príncipe cristão
Recebe o teu poeta, oh bela
Abre teu coração
Abre teu coração
Ou eu arrombo a janela

Isso é tão tipuri, é tão zel que eu sorrio só de ver. :)

Daniel & Deds

Eu não comentei direito, mas o Daniel e a Dedinha, pessoas que eu finalmente conheci, são fora de série. Passamos os últimos dois dias amontoados na casa da Zel, pra variar.

Russeau pergunta.

Russeau pergunta, Gui responde: sei não. :) Mas eu tento descobrir hoje se vai ter outra apresentação do Yamandú e aviso. ue olhei na programação, mas não faz parte da temporada da OSESP, então não aparece.

Bicicleta

Eu ia andar de bicicleta no Ibirapuera. Mas o céu tá com uma cara de tempestade que eu tô até pensando em colocar A cavalgada das Valquírias, de Wagner, pra dar um climão. :) Mas vou ficar por aqui mesmo. :P

Sala São Paulo

Hoje à noite vou na Sala São Paulo ver uma, não, duas apresentações violonísticas. Primeiro o vencedor do Prêmio VISA de MPB deste ano, Yamandú Costa. O cara tem 20 anos e toca que nem gente grande. Desaforo. :P

Depois, um octeto de violões, e aí é que tá meu interesse maior. Quem vai reger o octeto é Edson Lopes, a mesma pessoa que escreveu a transcrição para orquestra de violões do 1o. movimento do 3o. Concerto Brandemburguês de Bach. Eu acabei de regê-lo esse ano com a Orquestra de Cordas Dedilhadas do IA e quero conversar com ele. O concerto promete. :)

Difícil dormir

Difícil dormir essa noite, viu? Sabe quando você toma o seu banho, deita a cabeça no travesseiro, pega seu livro e lê, lê, lê e o sono não vem? Não é insônia — que eu não tenho, nem nunca tive. Não consegui desligar esse cérebro maldito, simplesmente. Fiquei pensando na vida, na morte da bezerra, nos sexos dos anjos, na influência do ciclo lunar sobre a cor das asas das borboletas, enfim. Claro que me acordaram hoje às 7h da manhã. :P Mas, tudo bem. :) Fiquei curtindo meu momento noturno.

Justify de cu é rola!

Num cunsiiigo!!!
Eu não consigo colocar esses posts “justificados” — ô, termozinho horrível — sem que alguma coisa no layout mude. Inferrrno!