O, cielo! Tô eu

O, cielo! Tô eu aqui desesperadamente compulsivamente ouvindo Puccini depois de ontem — canta, tenor, canta até explodir! Ô inferno! E eu tava quase ficando bem. Por que a vida prega peças pelas nossas costas? Por que ela faz dessas coisas com as pessoas?

UIA!!! Eu tô ali

UIA!!! Eu tô ali no layout novo da Zel! No domínio novo da Zel. Tô sim, falando no pé-da-orelha da moça. :) Coisa fina esse layout, hein? Sugestão: Usa outras fotos nas outras páginas (que não estão no ar ainda), biii. A capa de disco, por exemplo.

Saco! Tô sentindo falta

Saco! Tô sentindo falta de falar com as pessoas que eu costumo falar pela rede. Tô sentindo falta de estar com as pessoas. Meu fim de semana parece cada vez mais curto. Tô carente. Tô com calor — interior e exterior. Tô com sono e quero cafuné. *sigh* Daqui a pouco passa.

Quinta-feira, enfim. E esse

Quinta-feira, enfim. E esse Congresso de Iniciação Científica a me encher o sacová! Painel pronto, pendurado, agora é fazer cara de bom-dia-mas-não-faz-pergunta-difícil-senão-te-chuto e tudo bem. :)

Por falar nisso, como o povo das engenharias é exagerado, credo! Tem uns pianéis ali que custaram uns 70 mangos, fácil. Em filme plástico, coisa e tal, coisa fina. Taí, se a minha iniciação científica fosse sobre pinturas — ó o delírio — eu ia fazer o cartaz em formato de quadro, com moldura de madeira e tudo. Aí sim ia ficar show, mas gastar 70 pilas pra pendurar um coisinho de plástico? Tem dó de mim.

E anteontem foi diumtudo

E anteontem foi diumtudo também. :). Tortilhas voadoras, paellas, sangria, vinho grappa e sorvete de limão… nas minhas costas!

Marcééé-lôôô!!! Escuta aqui, ô criatura, saia justa de cu é rola! Não derrames o que não podes lamber!!! :PPP Não! Não pode, não. Não vem com idéia que você não é dois, mas é grande. Zel, que te agüente :)

Ontem foi tudo de

Ontem foi tudo de bom :) Eu e Zel viemos pra Campinas pra ela ter sua aula sazonal com o Alberto e depois irmos até Porto Ferreira — caralho, eu achei que fosse aqui do lado — assistir a um recital de canto onde Alberto cantou. Inferrrrno! Como tem pedágio nessa porra de Anhangüera! TRÊS pedágios de Campinas à Porto Ferreira, que é isso?! Ah, sim, quase ficamos sem gasolina no meio da estrada, aquela coisa.

Enfim, almoçamos tarde pra caralho eu, Zel, Alberto e Vitor e fomos pro recital. Vocês não tão entendendo… era um recital de despedida de uma amiga minha, Juliana, que vai pra Itália. Ela levou uma ex-professora dela, Márcia Guimarães, soprano lírico ma-ra-vi-lho-sa que quase acabou comigo, Zel e Vitor cantando Un bel dì vedremo, da ópera Madama Butterfly, de Puccini. Senhor, o que foi aquilo? Bálsamo sonoro? Inspiração divina? Zel, ao meu lado, em lágrimas. Vitor — meu… coitado — que é um apaixonado por Puccini, sofria do lado da pianista, Carol, também nossa colega, virando as páginas. O menino saiu avariado e disse que nunca mais vira páginas se alguém estiver cantando Puccini. :)

Alberto cantou lindamente — descobri que não sei cantar Tu mami, de Carlos Gomes, ele é que sabe — e Clarice, mezzo-soprano deliciosa foi a Carmen cantando a Habanera. Que voz é aquela? Cheia, quente, doce e picante ao mesmo tempo.

E voltamos. E foi difícil dormir essa noite, pessoas.

E Zel apronta das

E Zel apronta das suas: resolveu fazer paella esta noite. :) É doida…

E eu que não acabei o cartaz que eu tenho que fazer pro congresso de iniciação científica, caralho!

Ai, jisuix… Marcé-lô é

Ai, jisuix… Marcé-lô é doido, gente, cês nuntãointendeindo!

Psiu! Ô, bofedapeituda? Vou te atacar não, nananinanão. Depois você fica tenso e todo o meu trabalho técnicomassagísticovocal vai pelo cano (oops!). *HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA*

Roubei rosas da casa

Roubei rosas da casa da Zel hoje como que rouba beijos sonegados. :) Umas rosas vermelhas por aqui devem ajudar. Pelo menos deixam o quarto mais bonito, não é mesmo? ;-)

AAAAAAAAAAAAARGH!!! Quem o foi

AAAAAAAAAAAAARGH!!! Quem o foi o fiodeumaronquifuça que mandou meu e-mail mundisso pruma lista de mala direta? Ô, inferrrno!!!

Pra você, pacato cidadão, que fica vasculhando a rede em busca de endereços de gente inocente, VÊ SE VAI DAR MEIA HORA DE CU E ME ESQUECE!!! :PPP

E hoje é aniversário

E hoje é aniversário da Mari, aquela sereia carioca, Miss Cachinhos :) Tudo de bom pra lindinha, muitos beijos, de língua mesmo, no melhor estilo octopus, como disse a Lia (é… eu tô sabendo ;)

E eu digo: o

E eu digo: o sorriso é um reflexo cardíaco. Ai, ai… Por quê? Ora, porque sim. Porque eu vi, sim. E porque sorriu pra mim. Enfim…

As coisas podiam ser um pouquinho mais fáceis.

Zé-el!!! Tô com saudade

Zé-el!!!
Tô com saudade de tu, meu desejo
Tô com saudade do beijo e do mel
Do teu olhar carinhoso
Do teu abraço gostoso
De passear no teu céu
É tão difícil ficar sem você
O teu amor é gostoso demais
Teu cheiro me dá prazer
Quando estou com você
Estou nos braços da paz…

É assim que você me agradece, mulher. Existindo. **SMACKS**

AAAAAAAAAAAARGH!!! Inveja vil que

AAAAAAAAAAAARGH!!! Inveja vil que consome minh’alma! Marcé-lô, tortilha de cu é rola!!! :PPP Eu aqui na penúria, vendo a semana se arrastar, bandejão após bandejão, e esse ser tipúrico comendo tortilhas. Vai te catar, ô! :P

EUQEUROQUEROEUQUERO!!! E você tá me devendo, duvido que faça. :)

Recadinhos do coração a

Recadinhos do coração a parte, não vejo a hora de abraçar, apertar, morder até matar a baixinha com bustão. AI QUE SAUDADE LOUCA!!! E Fabíola que faz um século que eu não vejo? Fá, não foge não que eu vou te morder também! >:-)

E fomos ver “Gota

E fomos ver “Gota d’?gua”. Muito bom. Muito bom mesmo. O Du me falou o nome da preparadora vocal — só que eu já esqueci :( —, ela é de Minas. Eu preciso conhecer essa mulher, pois eles tão cantando muito bem mesmo.

Marcé-lô que ficou contente porque o programa foi muito bom. E Zel que ficou p… comigo. :) Ah, lindinha… eu não tenho culpa. Eu não escolho a data e a classe dos eventos cósmicos da minha vida. Senão, teria esperado você voltar da Zorópa pra falar tudo e mais um pouco. E, como você mesma disse pro seu honey, eu não falo dessas coisas, não sou direto, até eu me espantei. Donde se deduz que o negócio foi sério e abalou minhas estruturas. Eu precisava falar. Mas as palavras estão todas gravadas a ferro em brasa na minha cabeça e eu conto tudo o que você quiser saber pessoalmente.

PS pra galera: Não dou nomes aos meus amores, às minhas pessoas, simplesmente porque não quero. Não quero expô-las, não tenho esse direito. A nossa intimidade não é só minha e essa dualidade simplesmente exige respeito. Minha vida é um livro aberto mas não está nas bancas em fascículos numerados. É edição rara!

Agora, se você quer realmente ficar louca da vida, eu dou um motivo. Os lugares no Tom Brasil eram os melhores possíveis, biii! :) Meião, centro, ali, dava pra ver tuuudooo! Setor VIP! :P Antes que você xingue minha santa mãe, Du já falou pra ligar pra ele quando você for.

Ninguém tá entendendo nada. Seguinte: Zel ligou do aeroporto quando estávamos a caminho do Tom Brasil. Ligou pro bofe, não pra mim — ééé, é sim, também sou ciumento :P —, mas me deu uma bronca porque eu não falei nada pra ela das minhas desventuras — como, eu não sei. Quando falei pra onde eu tava indo, só não desligou na minha cara porque ela me ama, eu acho :).

E Marcé-lô me falou

E Marcé-lô me falou agora há pouco que Zel ficou louca porque eu não falei pra ela do meu estado “banzônico”. Ciúmes, coisa e tal. ;-)

Biii… mas como é que eu ia falar com você? Você tava lá, fazendo topless, dando pinta, tomando chá com a Maga Patalógica. Nem os e-mails sobre as suas contas você viu. :P

Mas enfim… eu também queria que você estivesse aqui do meu ladinho pra agüentar os meus suspiros. Não foi fácil, o Marcé-lô sabe — deve achar, pelo menos… me perguntou 237*pi! vezes :). Aliás, obrigado por toda a força, Tipuri.

Então… e eu tô aqui escrevendo isso pra você — e pra torcida do flamengo :) — pra dizer que não importa quando, como ou quem passar pela minha vida, o seu camarote vip de cara pro palco do meu coração vai estar sempre ali, quente e aconchegante.

Hoje vou carregar teu namorado — foi você que mandou eu tomar conta dele, não reclama — pra assistir “Gota d’?gua”. O Du convidou e perguntou por você. E vou de novo com você, calma! Amanhã, Campinas e, de noite, você pelo telefone. Teu celular tá em casa e carregado, vê se pega! :) Se restar alguma coisa que o teu honey não contar, conto eu, de noite.
**SMACKS**

Nada como um programa

Nada como um programa família e muito trabalho braçal pra desviar a atenção. :) Pena que eu tenha o péssimo/ótimo hábito de pensar na vida quando vou dormir. Enfim… c’est la vie!

Agora… fui pegar os vasos da Zel que ficaram a long, long time ago no apartamento da R. Bela Cintra. Fofícula, o zelador se livrou de todos os vasos pequenos, viu? Os três grandões foram salvos, tão até bonitinhos… e encheram seu carro de terra. :P Vamos ver se eu consigo passar um aspirador no bichinho hoje.

Ah, sim… PROTESTO!!! Eu vou ser o único que não vai ver Zel e Fá na segunda? Ah, não, assim não dá. Vai todo mundo pra Campinas comigo! ;-) Que coisa…

Ah, sim… eu também

Ah, sim… eu também estou muito chocado com o desastre novaiorquino (o pentagonal, não :P) e com o assassinato do prefeito aqui de Campinas, mas não falei nada porque estou lidando com assuntos mais poéticos, mais herméticos, mais… enfim.

Ô, inferrrno! Justo hoje,

Ô, inferrrno! Justo hoje, que eu ou ter que ficar aqui em Campinas resolvendo assuntos de importância extrema para a felicidade geral da nação — a minha —, um amigo meu do teatro, o Edu, me liga perguntando se eu não quero ir assistir a pré-estréia do musical “Gota D’?gua” (não achei link). AAAAAAAAAAAARGH!!! É LÓGICO que eu quero, mas não consiiiiigo! Mas eu tô muito feliz que ele esteja participando da montagem. Muito mesmo!

Zel!!! Cê viu, bi? O Du tá vivo, não morreu! ;) Temos que ir assistir — não sei como, pois eu tô sem um puto dum tostão — de qualquer maneira. Gábis, Edmilson, Rê, Marcelo, Norbies, etc., vamos todos! (depois eu coloco links)

De fato, a segunda

De fato, a segunda é tão importante que deveria se chamar primeira.

E amanhã é segunda,
o dia mais importante
de nossas vidas.

O dia em que os céus
se abrem em fogo
Ou não.

O dia que os olhos
se abrem em lágrimas
Ou não.

O dia em que os ventos
sopram destinos
e cruzam caminhos,
unem paralelas.

O dia em que não morreremos,
não nasceremos.
Ou sim.

Ah, inferno!!! Depois de

Ah, inferno!!!
Depois de passar algumas horas consertando o espelho do carro da Zel (ajudar a bi a economizar um pouco, né?), colocando o mecanismo no lugar, reforçando as partes coladas — dois pedaços e um parafuso a menos — e montando ele de novo, o espelho — parte de vidro —, que não poderia ser mais fino, simplesmente escapa do encaixe, cai e quebra. Tá todo trincadinho. O corpo do espelho no lugar, firme, e o espelho, trincado… AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAARGH!!! Só falta eu passar na rua agora e um motoboy maldito arrancar o espelho do lugar. Aí eu atropelo!

Pelo menos o processo serviu ao seu próposito: ocupar meus pensamentos que estão inquietos. Agora eu preciso de um cubo mágico, um quebra-cabeça de 5000 peças ou de um telefonema. *sigh* E amanhã é segunda, o dia mais importante de nossas vidas.

“eu falo sozinha. venho

“eu falo sozinha. venho do trampo a pé, uma caminhadinha de uma meia hora, trampo nos jardins e moro no bixiga. venho o caminho inteiro conversando comigo, inventando diálogos imaginários, as pessoas me olham estranho, não entendem que meus diálogos nunca acontecem e servem pra arrefecer certas coisas na alma. quando estou feliz desço cantando, quando estou aborrecida desco xingando. os garçons dos bares imundos do bixiga já devem me conhecer como a louca que fala sozinha. hoje desci cantando o ridículo do caetano, uma música véia, frevinho de quando ele sabia fazer música. no meio do caminho mudei de idéia, e cheguei em casa falando. tem gente que me olha por trás, acho que com medo de eu ter um acesso de loucura e sair mordendo. bem, de vez em quando considero fazer isso, mas aí são situações bem específicas.”

, se você for louca, então tem que ter mais uma vaga no hospício, pois eu tô chegando. :)

Também falo sozinho. Dialogo. Muitas vezes monto verdadeiros enredos dentro da minha cabeça. Verdadeiras óperas. Tenho até a sensação de ouvir os tutti da orquestra no final da cadência. Às vezes, a tensão que eu emprego nisso é tão grande que eu não consigo ficar parado. Mexo os braços, faço caretas. Rejo. E regendo a mim mesmo me reestruturo, me concerto, me conserto.

Houve um tempo em que isso me preocupava. Achava isso preocupante, atestava contra minha sanidade. Depois parei de me preocupar diretamente com minha sanidade e resolvi dançar com minha insanidade.

Se Platão escreveu suas idéias em forma de diálogo por que não posso dialogar, dançar, regar, cantar eu com as minhas?

“À luz do Sol,

“À luz do Sol, até os sons brilham…”
Foi essa frase que eu ganhei dos meus alunos — meus filhos —, formandos da Artes Cênicas que estrearam seu espetáculo de formatura ontem, dia 07 de setembro. Eu acompanhei todo o processo, pois fui o preparador vocal deles. Dei-lhes o que pude de técnica, as ferramentas que eles necessitavam para cantar enquanto falavam no palco. Ajudei-os a criar algumas músicas e dei várias merecidas broncas, quando necessário. Mas, mais do que isso, acho que consegui implantar uma semente que eles agora vão ter que regar, cuidar: a possibilidade da voz cantada. E me enchi de orgulho ao vê-los cantar no palco em meio a tanta luz, suas vozes brilhando juntas, fruto de um trabalho conjunto, de um esforço unido. Foi lindo vê-los se ouvindo. Foi lindo. Crianças, parabéns!

Tô com um frio

Tô com um frio glacial na barriga. Quanto tempo será que isso dura? Lá dentro, uma parcela íntima e inteira de mim quer que isso dure, evolua, se expanda. Mas outra, igualmente plena, tem medo. Só que o abraço das duas é inseparável e para essa tensão ceder é preciso que uma das duas durma. Aquela, só dorme com o tempo e muita cantiga. Esta, só se o abraço, de que tem tanto medo, for forte e firme o suficiente para esmagar sua dor, que não dói, apenas aperta, mas sufoca. Pode um sufoco afogar outro?

To Gábis: Querido, me

To Gábis: Querido, me explica só uma coisa: como você queria que eu acordasse antes das 6h da madrugada na segunda, depois de mamar uma garrafa de saquê, e ainda por cima dirigir até Campinas? Eu tava podre! Você bebe. Saquê. :P E vai me perdoar sim porque você é o meu fratello, :-*, E porque eu te adoro.

E lá vamos nós…oh,

E lá vamos nós…oh, céus!

Voi che sapete
Che cosa è amor,
Donne, vedete
S’io l’ho nel cor.
Quello ch’io provo
Vi ridirò;
E per me nuovo,
Capir nol so.
Sento un affetto.
Pien di desir
Ch’ora è diletto,
Ch’ora è martir.
Gelo, e poi sento
L’alma avvampar,
E in un momento
Torno a gelar.
Ricerco un bene
Fuori di me,
Non so chi’l tiene,
Non so cos’è.
Sospiro e gemo
Senza voler,
Palpito e tremo
Senza saper,
Non trovo pace
Notte né dì:
Ma pur mi piace
Languir così.
Voi che sapete
Che cosa è amor,
Donne, vedete
S’io l’ho nel cor.

Pois é… eu não vou colocar tradução aqui, não. Pode esquecer. Pra bom entendedor, meia ária basta. E se alguém entender, favor avisar, pois eu mesmo não estou…

E eu liguei pra

E eu liguei pra todas as concessionárias da Peugeot hoje e nenhuma tá com a oficina aberta pra consertar o bendito espelho do motorista do carro da Zel. Que droga! E na oficina do amigo dela também ninguém atende. E agora, o que eu faço?

Eu preciso desesperadamente ser

Eu preciso desesperadamente ser prático com meus pensamentos ou eles vão alçar vôo agora, lançar suas asas por regiões turbulentas e eu vou perder minha estrutura.

Ah, inferno! A quem eu estou querendo enganar.

E parabéns pra minha

E parabéns pra minha Mãe que ontem fez um ano que parou de fumar. Fez questão de me contar e isso me encheu de orgulho! Em breve ela vai estar escrevendo no Panela e no Saudade. Tô treinando ela na mundo da internet. Ela tá começando a se interessar. :)

**SCHLÉPT** Auto-flagelações Múltiplas **SCHLÉPT** Minha

**SCHLÉPT** Auto-flagelações Múltiplas **SCHLÉPT**
Minha parcela faceira — que ocupa por volta de 98% do meu ser :) — se contorce e quase não se aguenta, mas não vai sair hoje que eu tenho que terminar as coisas da faculdade. :-\ Marcé-lô e Gábis me chamaram pra ir ao cinema e eu… eu… eu… declinei! ARF! ARF! ARF! Que droga!!! Eu odeio quando eu tenho juízo! :P Meus queridos, desculpa.

De qualquer forma, ontem fui ver Final Fantasy e o filme realmente impressiona. Mas ainda falta muito pra aquela animação das pessoas passar por verdadeira. Mas eu gostei, história mutcho loca. :)

E por falar em juízo — coisa que eu não tive muito este fim de semana :) —, fui chegar em casa lá pelas 14h e acabei dormindo. Não teve jeito, uma hora a pessoa tem que dormir, repor as energias, dar folga pro corpo, enfim… ô, cansaço bom…

Parafraseando o Casal 20

Parafraseando o Casal 20 (20 vezes por semana): Tem dia que a noite é foda… Desenvolvendo: Tem noite que a manhã é foda. Tem manhã que o almoço é foda… e por aí vai! :)))

OH, HAPPY DAAAAAAAAY!!!

E ela me pediu

E ela me pediu pra tomar conta do Marcé-lô. Coitada… Eu super tomo. Tomo conta da parte que me diz respeito: as pregas! LOL!
Vocais, gente… pregas vocais. :P

*HAHAHAHAHAHAHAHA* Baixou o Santo

*HAHAHAHAHAHAHAHA*
Baixou o Santo Espírito de Porco hoje, simplesmente não resisti! :) Fui com o Marcé-lô levar a Zel pro aeroporto de Cumbica hoje. Batemos um McDonald’s ixperrrto, tomamos um café e fomos pro embarque. E eu com evil thoughts… Eis que, ao chegar no local de embarque e ao me despedir da bi, eu caio aos seus pés em pleno saguão do aeroporto, chorando (LOL!) copiosamente. *HAHAHAHAHAHA* Puro Melodrama! E o Marcé-lô lá, rindo, claro. E a Zel, vermelha, óbvio. Só não me agarrei na barra da calça dela porque eu mesmo não aguentei e comecei a rachar o bico no meio do aeroporto. Mas o melhor, mesmo, foi ela correr pro segurança que fica na porta do embarque e pedir pelamordedeus pra deixar ela entrar logo e o negão olhar pra ela e dizer (educadamente, claro): “er… a senhora tá fodida porque não é aqui não, é lá do outro lado. Ele vai fazer o show de novo.” :) Aí ela mandou a gente embora, que coisa! *HAHAHAHAHAHA* Tô rindo até agora.

Ai, biii! Aproveita a viagem, viu? :-***

Fui ver Swordfish hoje

Fui ver Swordfish hoje com uns amigos aqui da rua. É legal o filme, mas não surpreendeu em nada. Agora, por que todo filme de hackers tem que ter computadores superpoderosos, quinhentas telas, sistemas com imagens em 3D com números binários correndo para todos os lados? Eu não vejo uma única linha em C ou Assembler sendo digitada. Ninguém cata ponto-e-vírgula em código fonte ou confere pra ver se fechou todas as chaves que abriu na chamada de um função. Não vejo um compilador rodando. Só vejo alguém metralhando um teclado enquanto cubinhos dançam pela tela. Assim até eu! :) Quero ver alguém fazer um vírus em linguagem de alto nível. Pra fazer vírus tem que ser raw, tomar muito café e não fazer sexo com frequência. :) Não basta ser um ás do videogame. :P